VAR não diminui reclamações dos clubes contra a arbitragem no Brasileiro

Levantamento do Estado nas 220 partidas realizadas até o início da 23ª apontou 103 queixas dos clubes contra a arbitragem

Ricardo Magatti, Especial para O Estado

06 de outubro de 2019 | 04h30

A implementação do árbitro de vídeo (VAR, na sigla em inglês) nesta edição do Campeonato Brasileiro não reduziu o número de reclamações dos clubes. Levantamento feito pelo Estado envolvendo os 220 jogos realizados até o início da 23.ª rodada mostra que a quantidade de queixas permanece alta, mesmo com a presença da tecnologia.

O levantamento se baseou nas súmulas da CBF, informações sobre o andamento dos jogos e entrevistas de jogadores, técnicos e dirigentes para quantificar as reclamações a respeito da arbitragem e quais os tipos de lances motivaram mais queixas. As polêmicas foram tabuladas e separadas em diferentes categorias, como pênalti, expulsão, falta, impedimento, toque de mão, repetição de cobrança de pênalti após o goleiro se adiantar e lateral invertido que originou gol.

O trabalho procurou registrar todas as reclamações dos 20 times, não apenas os lances em que o VAR foi acionado e não levou em consideração se a decisão do árbitro naquele momento foi a correta ou não.

Foram computadas 103 queixas nas 220 partidas analisadas, isto é, uma média de 0,46 queixa por jogo. Segundo a análise, 63 partidas suscitaram algum tipo de protesto, seja de jogador, técnico ou dirigente, o que significa dizer que houve chiadeira em 28% dos confrontos analisados.

A reclamação por marcação ou não marcação de penalidades é a mais recorrente dos clubes em relação à arbitragem - foram 54 protestos por esta razão contra 29 por conta de expulsões e seis por impedimentos. 

Com 13 reclamações, o Fluminense lidera a lista em relação às decisões dos homens do apito, à frente do Vasco, que contestou oito marcações. Athletico-PR, Botafogo, Fortaleza e Internacional vêm na sequência, com sete queixas cada um.

No ano passado, quando os juízes de campo ainda não podiam recorrer ao árbitro de vídeo, o Estado mostrou que houve 141 contestações dos 20 clubes da Série A em 310 jogos analisados, uma média de 0,45 protesto por partida, números muito parecidos com os da atual edição da competição.

Neste ano, a 22.ª rodada foi a que registrou mais polêmicas. Uma delas foi o gol anulado do Palmeiras no empate em 1 a 1 com o Internacional, no Beira-Rio. Após consultar o monitor, o árbitro catarinense Braulio da Silva Machado enxergou toque no braço do atacante Willian na origem da jogada e invalidou o gol marcado por Bruno Henrique, o que deixou os palmeirenses indignados.

Após a partida, o presidente do clube paulista, Maurício Galiotte, se mostrou revoltado com a decisão da arbitragem e indicou que o Flamengo, atual líder do torneio nacional, tem sido favorecido pelos árbitros. "Estamos pedindo critério, justiça. Vamos disputar o campeonato de forma séria, mas que a arbitragem também atue de forma séria", disse o mandatário na ocasião. "Em muitos lances, é só vocês fazerem um levantamento, o VAR não tem atuado em jogos do Flamengo, isso é fato".

O mandatário palmeirense foi recebido na sede da CBF, no Rio, na quinta-feira. A entidade admitiu que a arbitragem errou no lance envolvendo Willian. A interpretação é de que o gol foi bem anulado, tendo em visto o que diz a atualização da regra em relação aos toques de mão bola no ataque, mas o jogo deveria ter sido reiniciado com falta na entrada da área a favor do time alviverde - mesmo assim, o vídeo do gol foi enviado para análise da Fifa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Chefe de arbitragem da CBF, Gaciba vira maior alvo de queixas dos clubes

Agremiações protestam contra a maneira que o VAR tem sido utilizado e fazem reclamações formais

Ricardo Magatti, Especial para O Estado

06 de outubro de 2019 | 04h30

Presidente da Comissão de Arbitragem da CBF desde abril deste ano, Leonardo Gaciba virou o principal alvo de reclamações dos clubes na atual temporada. As queixas mais recorrentes dizem respeito ao uso da tecnologia. Os dirigentes não estão contentes com algumas marcações do árbitros com o auxílio do árbitro de vídeo (VAR) e, em várias entrevistas, citam o atual chefe de arbitragem. Em sua defesa, Gaciba divulgou balanço recente em que aponta que o índice de acerto nas decisões dos árbitros até a 14ª rodada era de mais de 90% após o início do uso da tecnologia.

Gaciba dedicou 17 dos seus 48 anos à carreira de árbitro e passou outros nove como comentarista de arbitragem. Ao chegar à CBF para substituir o Coronel Marinho, o gaúcho de Pelotas promoveu algumas mudanças. Ele tem uma visão mais moderna em relação aos seus antecessores - estuda, por exemplo, a utilização de inteligência artificial e realidade virtual no treinamento dos juízes - e procura manter um bom relacionamento com clubes e seus dirigentes.

Com a implementação do VAR no calendário do futebol brasileiro, Gaciba decidiu visitar os 20 clubes da primeira divisão. A ideia é tirar dúvidas sobre a tecnologia e estreitar a relação com as agremiações. Corinthians, São Paulo, Inter e Vasco são alguns dos clubes que já tiveram palestra com o chefe da arbitragem da CBF.

"Vamos em busca de um futebol melhor, um espetáculo melhor", projetou o gaúcho quando assumiu o comando do apito no futebol brasileiro. "A base de todo o meu projeto é valorizar os árbitros, tentar fazer com que eles tenham todos os recursos possíveis para desempenhar a função. O meu desafio é fazer com que o VAR seja utilizado da melhor forma possível. E faremos isso com muito trabalho", acrescentou.

No entanto, diante das polêmicas envolvendo os árbitros especialmente no Campeonato Brasileiro, o relacionamento de Gaciba com alguns se estremeceu. Recentemente, Athletico-PR, Atlético-MG, Inter, Palmeiras e Vasco fizeram cobranças ao ex-árbitro e exibiram insatisfação com a maneira que o VAR tem sido utilizado. O técnico Vanderlei Luxemburgo lembrou da palestra a que seus jogadores assistiram para cobrar o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF.

"O Gaciba foi na quarta-feira fazer uma palestra no CT. Ele pegou um vídeo sobre lance de impedimento e mostrou o que caracteriza. Eu já tenho a imagem do VAR que a mão do Werley está na linha vermelha, mas não tem nenhum jogador do Vasco na azul. Ele foi enfático e disse que o que caracterizava o impedimento não é a mão, mas os pés. Então não foi impedimento. O gol foi legal. O Gaciba é um cara legal, está tentando mudar... Vem publicamente trazer essa imagem e dizer o que aconteceu. Se ele tiver outra imagem de impedimento, ficarei calado. Ou vem publicamente dizer que a palestra que ele deu os árbitros não colocaram em prática. Essa é a reclamação", expôs o treinador. Luxemburgo fez menção ao gol anulado de Werley por impedimento com a ajuda do VAR na derrota por 1 a 0 para o Corinthians.

Mais forte ainda foram as palavras do vice de futebol do Inter, Roberto Melo. "Enquanto o seu Gaciba estiver na CBF, não pretendo ir. Ele fala uma coisa, se exibe, faz apresentação, c... regra e é feita uma coisa totalmente diferente", esbravejou Melo após a derrota por 3 a 1 para o Flamengo. No jogo, o time gaúcho reclamou das expulsões de Bruno e Guerrero e da não marcação de um pênalti no centroavante peruano.

Sentindo-se lesados, os clubes têm feito reclamações formais à CBF. Caso do Athletico-PR, que, após o envio do ofício, afirmou que a ouvidoria da entidade que rege o futebol brasileiro reconheceu “o erro de fato da arbitragem na partida diante do Santos, no dia 8 de setembro, na Vila Belmiro”. O parecer foi assinado por Manoel Serapião Filho.

No lance em questão, Marinho invadiu a área e caiu após contato com Braian Romero. Inicialmente, o árbitro Rodrigo Carvalhaes de Miranda assinalou a falta fora da área. No entanto, após consultar as imagens do VAR, o juiz marcou a penalidade, convertida pelo uruguaio Carlos Sánchez e que decretou o empate em 1 a 1.

Mais da metade dos clubes estão insatisfeitos com o VAR e defendem mudanças na utilização da ferramenta. O que os dirigentes mais pedem é a liberação das imagens revistas no vídeo e do áudio das conversas entre o árbitro de campo e os auxiliares na cabine. Os cartolas também querem que os torcedores presentes no estádio saibam o que está sendo analisado. Este último pedido será atendido, já que a CBF anunciou no final de setembro que os lances em análise pelo VAR serão exibidos nos telões dos estádios e também nas transmissões das partidas na televisão a partir do segundo turno.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.