Vascaínos evitam euforia e pedem 'humildade' após 3 a 1

Os jogadores do Vasco evitaram exibir euforia com a vitória por 3 a 1 sobre o Palmeiras, na noite da última quarta-feira, em São Januário, até pelo fato de que o time vinha de uma humilhante derrota por 4 a 0 para o Bahia, em casa, que acabou provocando a queda do técnico Cristóvão Borges. O time acaba de contratar Marcelo Oliveira como substituto para o cargo e o time pregou a humildade como qualidade fundamental neste momento em que a equipe luta para voltar a se aproximar dos líderes do Campeonato Brasileiro.

AE, Agência Estado

13 de setembro de 2012 | 12h38

"A rapaziada que saiu do banco também fez um bom papel, fez o que o professor (o técnico interino Gaúcho) pediu com humildade, e nossos gols foram trabalhados. Isso é ideal para o próximo jogo. Acho que o nosso time precisa continuar com essa humildade, com a mesma pegada, chegar lá respeitando a equipe porque vai ser um jogo difícil", afirmou o zagueiro Dedé, se referindo ao confronto deste domingo, contra o Cruzeiro, em Varginha, pela 25.ª rodada da competição nacional.

O meia Juninho Pernambucano seguiu a mesma linha de discurso do defensor e, como um dos principais líderes do elenco, exaltou a necessidade de o time manter os pés no chão para a continuidade do torneio. "Tiramos coisas boas do jogo de hoje (quarta), mas temos que manter a humildade e esperar que essa comissão que está chegando nos ajude", disse, ao SporTV, depois de ter falado sobre a importância psicológica do triunfo de virada sobre os palmeirenses.

"A vitória foi boa principalmente em relação aos pontos e à motivação, sendo que alguns não sentem muito quando algumas peças saem, outros sentem mais, pela ligação depois de um ano com um treinador (Cristóvão Borges). Toda mudança deste nível atrapalha a concentração nos primeiros jogos e por isso era importante vencer, mas não é uma vitória que garante muita coisa e ao mesmo tempo pode ser uma vitória que nos dê confiança", enfatizou.

O atacante equatoriano Tenório, autor do primeiro gol vascaíno na última quarta-feira, foi outro que exibiu cautela ao falar da atual situação do time. "A pressão sobre nós continua. É bom esse resultado porque o time dá uma respirada, para parar e acertar as coisas, mas o time está com a ''faca no pescoço'' e todo mundo sabe o que Vasco quer. E estamos um pouco longe da primeira posição", lembrou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.