Aizar Raldes/AFP
Aizar Raldes/AFP

Vasco aguarda súmula para definir estratégia após caso de racismo na Bolívia

Clube carioca promete tomar providências contra insultos sofridos pelos jogadores na partida contra o Oriente Petrolero

Redação, Estadão Conteúdo

20 de fevereiro de 2020 | 13h44

A diretoria do Vasco anunciou nesta quinta-feira que vai aguardar a publicação da súmula da partida contra o Oriente Petrolero, realizada na quarta-feira, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, pela Copa Sul-Americana, para avaliar tudo que precisa ser feito depois que alguns jogadores foram vítima de racismo por parte dos torcedores locais.

O goleiro reserva Alexander e outros atletas foram até a arbitragem para reclamar de insultos racistas provenientes da torcida boliviana no setor das numeradas do estádio El Tahuichi, mas não foram atendidos. O diretor de futebol executivo do Vasco, André Mazzuco, detalhou como tudo aconteceu e explicou que outros jogadores também foram alvo do ato discriminatório.

"Foi um episódio que aconteceu com o Juninho, o Alexander e os atletas que estavam no banco de reservas, de forma geral. A torcida já estava exaltada, hostilizando nossos jogadores, mas se dirigiram ao Juninho com xingamentos e gestos de cunho racista. Tomamos os procedimentos cabíveis de relatar diretamente à arbitragem e ao delegado da partida, que registraram o ocorrido", afirmou o dirigente ao site oficial do Vasco.

O Vasco pediu à Conmebol que retire o cartão amarelo aplicado pelo árbitro venezuelano José Argote ao zagueiro Ricardo Graça, que reclamou da atitude dos torcedores. "Todos se manifestaram e o Ricardo recebeu o cartão amarelo. Vamos aguardar a súmula e todos os processos e medidas que precisam ser tomados. Além disso, solicitamos que o cartão amarelo dado ao Ricardo justamente por ele ter se insurgido contra os xingamentos ao Juninho seja revisado", disse Mazzuco.

Nesta quinta-feira, o Vasco publicou uma nota de repúdio em suas redes sociais e em seu site oficial. "É triste ver que em pleno 2020 ainda observamos tantos casos de racismo no futebol. Não há mais espaço para este tipo de pensamento. Ao Alexander e todos que possivelmente se sentiram ofendidos, nossa solidariedade. ESTAMOS JUNTOS, SEMPRE", disse o clube.

Com o passaporte carimbado para a segunda fase com o empate sem gols na Bolívia, o Vasco só retorna aos gramados pela Sul-Americana no mês de maio. O adversário cruzmaltino será conhecido através de sorteio. O próximo jogo será no dia 29, sábado que vem, contra o Resende, em Volta Redonda (RJ), pela primeira rodada da Taça Rio, o segundo turno do Campeonato Carioca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.