Divulgação
Divulgação

Vasco bate Fluminense, mas segue na zona da degola

Time cruzmaltino está um ponto atrás do São Paulo, que venceu o líder Cruzeiro nesta rodada

Leonardo Maia, Agência Estado

10 de outubro de 2013 | 00h08

RIO - O Campeonato Brasileiro entra em seu terço final. Hora, portanto, de dar aquele último gás, de jogar com valentia e ousadia. Seja para fugir do rebaixamento ou em busca de maiores ambições. Foi o que se viu no clássico desta quarta-feira entre Vasco e Fluminense, na Ressacada, em Florianópolis, com os rivais jogando de forma franca. Melhor para o Vasco, que aproveitou sua chance mais concreta e a converteu no gol da vitória, 1 a 0, cortesia do criticado zagueiro Cris.

Com 11 rodadas para o fim, os vascaínos continuam na zona de rebaixamento - todos concorrentes próximos venceram nesta quarta -, mas ganham fôlego e confiança, além dos três pontos que os levam aos 32. Próximo desafio, um adversário direto, o Criciúma, fora de casa. Para os tricolores, um péssimo resultado. A segunda derrota seguida os coloca a dois pontos da região da degola, aberta justamente pelo Vasco. E para piorar, as próximas rodadas trazem Grêmio, sábado, no Maracanã, e Cruzeiro, no Mineirão.

O duelo carioca, disputado em Santa Catarina para pagamento de punição de mando de campo imposta ao Vasco, foi equilibrado e disputado com intensidade. Os mandantes se aproveitaram de uma cobrança de falta no início para construir a vantagem que se mostraria derradeira. Aos 11 minutos, Marlone cruzou e Cris surgiu bem por trás de Edinho e testou para as redes, sem defesa para o jovem e bom Klever, substituto de Diego Cavalieri, na seleção brasileira.

Em desvantagem, os tricolores buscaram o empate com ímpeto, mas sem muita arrumação tática. Rhayner começou pela esquerda, pediu para ir para o meio e deslocou Rafael Sóbis para a direita e Biro Biro para a esquerda. Não deu resultado. O Vasco, apesar de atacar pouco, jogava bem armado, cauteloso, mas não medroso e não levou maiores sustos. A exceção foi uma bola rebatida que sobrou para Wagner dentro da pequena área e Diogo Silva abafou com o peito.

Estreante da noite, pelo Vasco, Francismar, substituto de Juninho Pernambucano (suspenso), acertou belo chuto defendido por Klever, e teve boa movimentação.

O técnico Vanderlei Luxemburgo estava suspenso e não gostou do que viu dos camarotes. Foi aos vestiários (o que é proibido) e descascou seus jogadores. De tão irritado fez as três substituições no intervalo: Diguinho, Felipe e Samuel no lugar de Rhayner, Igor Julião e Biro Biro. Não adiantou muito. Bem postado na defesa, o Vasco esteve mais perto de ampliar, em contra-ataques, do que de sofrer o empate. Por fim, o Fluminense amargou a sétima derrota em clássicos cariocas este ano, com dois empates e nenhuma vitória.

FICHA TÉCNICA:

VASCO 1 X 0 FLUMINENSE

VASCO - Diogo Silva; Fagner, Jomar, Cris e Henrique; Fillipe Soutto, Pedro Ken, Francismar (Willie) e Jhon Cley (Wendel); Marlone (Sandro Silva) e André. Técnico - Dorival Júnior.

FLUMINENSE - Klever; Bruno, Gum, Leandro Euzébio e Igor Julião (Felipe); Edinho, Jean e Wagner; Rhayner (Diguinho), Biro Biro (Samuel) e Rafael Sóbis. Técnico - Vanderlei Luxemburgo.

GOL - Cris, aos 11 minutos do primeiro tempo.

ÁRBITRO - Wagner do Nascimento Magalhães (RJ).

CARTÕES AMARELO - Jomar, Francismar, Fillipe Soutto (Vasco). Bruno, Leandro Euzébio, Gum (Fluminense).

RENDA E PÚBLICO - não disponíveis.

LOCAL - Estádio da Ressacada, em Florianópolis (SC).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoVascoFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.