Marcelo SAdio/Divulgação
Marcelo SAdio/Divulgação

Vasco bate o Nacional-AM e avança às quartas de final

Substituto de Éder Luis, Marlone foi destaque na classificação da equipe

LEONARDO MAIA, Agência Estado

30 de agosto de 2013 | 00h06

RIO - Certamente os torcedores do Vasco esperavam uma divertida noite de quinta-feira em São Januário. Quem sabe aquela goleada homérica para festejar a classificação às quartas de final da Copa do Brasil? Divertimento eles tiveram ao decidir tirar sarro do lateral-direito Nei. Goleada não houve, ao contrário. Os cruzmaltinos tomaram mais sustos que o previsto contra o brioso Nacional-AM, na partida de volta das oitavas. Por fim, a vaga na próxima fase foi obtida com uma vitória sem brilho por 2 a 1.

Protocolarmente, o clube carioca evitou a zebra até com certa displicência e acertou compromisso contra o Goiás. A CBF vai sortear datas e mandos das quartas na próxima terça. Certo é que o Vasco tem uma grande motivação para despachar também os goianos. Um confronto empolgante contra um rival, uma vez que Flamengo e Botafogo estão no mesmo lado da chave.

"Tivemos personalidade, lutamos, jogamos de igual para igual", comentou o goleiro Gilberto, dos visitantes. "Não fizemos um bom jogo, mas vencemos e vamos com moral para a próxima fase", disse o vascaíno Pedro Ken. Há que se reforçar um detalhe importante. O técnico Leo Goiano decidiu poupar a equipe titular para manter dedicação total à Série D do Campeonato Brasileiro. E os suplentes manauaras mostraram valentia e até mesmo boa qualidade técnica, ao ponto de criarem dificuldades ao grande clube carioca.

Claro, o Vasco não forçou, não se dedicou como deveria e como o faria contra um adversário de mais camisa. Mesmo assim, seria de bom tom apresentar um futebol mais vistoso e comovente para trazer a torcida para o jogo. A partida se tornou de uma tal pobreza de emoções e tão desinteressante no segundo tempo que os torcedores resolveram submeter o lateral-direito Nei, sempre criticado, à máxima humilhação. Com uma ovação irônica e gritos de "Nei é seleção" e "Nei é melhor que Neymar".

Nesse quesito, apenas um jogador vascaíno se destacou na primeira etapa. O jovem Marlone, substituto do negociado Eder Luís, foi melhor do que o antigo titular costumava ser. O garoto da base se movimentou, distribuiu o jogo, mandou bola na trave e marcou o gol de empate. Sim, porque quem saiu na frente foram os visitantes. Aos 5 minutos, Erik fez boa jogada e foi derrubado por Fillipe Soutto na área. Danilo Rios cobrou o pênalti, Diogo Silva defendeu, mas o meia fez no rebote.

Foram necessários quase 30 minutos para que o Vasco empatasse, depois de tomar controle do jogo através de Marlone, que fez o seu aos 33, depois de boa jogada e cruzamento de Yotún.

O início da segunda etapa trouxe ligeira pressão do Nacional, mas passou rápido e os minutos restantes se arrastaram numa sonolenta e burocrática partida. O gol de Dakson, a dois minutos do fim, já veio quando as arquibancadas "celebravam" Nei e o jogo se tornara totalmente irrelevante.

FICHA TÉCNICA

VASCO 2 x 1 NACIONAL-AM

VASCO - Diogo Silva; Nei, Cris, Jomar e Yotún; Abuda, Fillipe Soutto (Fábio Lima), Pedro Ken e Montoya (Dakson); Marlone (Willie) e Carlos Tenório. Técnico: Dorival Júnior.

NACIONAL-AM - Gilberto; Amaral, Cristiano, Martony e Badé; Erick, Fabio Souza (Agenor), Roberto Dinamite (Evandro) e Danilo Rios; Leonardo (Garanha) e Marcinho. Técnico: Leo Goiano.

GOLS - Danilo Rios, aos 6, e Marlone, aos 33 minutos do primeiro tempo; Dakson, aos 43 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Cris, Fillipe Soutto e Fábio Lima (Vasco); Danilo Rios e Evandro (Nacional-AM).

ÁRBITRO - Jean Pierre Gonçalves (RS).

RENDA E PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilVascoNacional-AM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.