Vasco consegue adiar jogo do Carioca

O presidente do Vasco, Eurico Miranda, voltou a tumultuar o Campeonato Carioca com sua decisão de não deixar a equipe enfrentar o Friburguense, pela terceira rodada do returno, nesta segunda-feira, às 16 horas, em Friburgo. O Vasco conseguiu uma liminar junto ao Tribunal da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) garantindo o direito de não atuar, por ter mais de três jogadores na seleção brasileira.A partida estava prevista para ser realizada no domingo, mais foi adiada para segunda-feira, porque o Vasco retornou apenas sábado da Venezuela, onde o time derrotou o Deportivo Táchira, pela Copa Libertadores da América, na quarta-feira.Para o presidente do Flamengo, Edmundo Santos Silva, o Vasco tinha condições de ter retornado ao Brasil na sexta-feira e por isso, além de poder jogar domingo, teria condições de escalar os jogadores convocados para a seleção. "O Vasco está querendo acabar com o futebol carioca e sempre bagunça o campeonato. Se a partida não acontecer, vou tomar providências jurídicas", afirmou o dirigente.O Vasco cedeu seis atletas para as seleções brasileiras: três estão na sub-20 e os outros três (Juninho Paulista, Euller e Romário) são para a seleção principal, que enfrenta o Equador, na quarta-feira, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2002. Por isso, o clube pode adiar seus jogos, de acordo com a Lei Orgânica da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).Outra medida que amparou o presidente do Vasco é o fato de, em uma reunião do Conselho Arbitral na Ferj, todos os representantes dos clubes terem assinado um documento concordando com o adiamento das partidas de clubes cariocas que estivessem participando da Libertadores.O presidente do Friburguense, José Eduardo Siqueira, ficou surpreso com a decisão do Vasco de não atuar, mas afirmou que todos os preparativos para a realização da partida continuam. "Estamos concentrados e temos um fax da Federação confirmando a partida. Mas vamos ver amanhã, que tem expediente na Ferj, se isso irá mudar."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.