Rafael Ribeiro/Vasco
Rafael Ribeiro/Vasco

Vasco diz não ter pressa para substituir Jorginho e confia em Valdir

'Processo de escolha de um treinador considera inúmeras variáveis', afirma diretor de futebol Alexandre Faria

Estadão Conteúdo

14 Agosto 2018 | 19h50

O diretor de futebol do Vasco, Alexandre Faria, concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira para falar sobre a demissão do técnico Jorginho. O dirigente pediu calma, disse que não está em negociação com nenhum outro treinador e que no momento está analisando possíveis nomes para assumir a equipe.

"Estamos desde ontem (terça-feira) conversando e analisando nomes. O processo de escolha de um treinador considera inúmeras variáveis. A primeira e mais importante é qual treinador se encaixa no perfil do elenco, dentro da característica dos jogadores que nós temos. Por isso temos que ser bem criterioso. Não existe nenhuma negociação em andamento", completou.

Alguns dos nomes cotados para o cargo são o de Abel Braga e Jair Ventura, que estão desempregados. Enquanto não define um substituto, o auxiliar técnico Valdir Bigode comandará os treinos do Vasco e poderá estar no banco de reservas no duelo contra o Ceará na próxima segunda-feira, às 20 horas, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.

"É preciso calma e tranquilidade para tomar a decisão correta. A confiança no trabalho do Valdir é total, e isso foi dito para ele. Ele assume de forma interina, mas não sabemos se ficará até amanhã ou segunda-feira", disse Faria.

Jorginho teve encerrada sua segunda passagem pelo time na segunda-feira, após apenas dez partidas. Foram quatro vitórias, um empate e cinco derrotas, com aproveitamento de 43%. Ele assumiu a equipe no início de junho, foi eliminado da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana e vinha de três derrotas consecutivas no Brasileirão, a última delas para o Palmeiras por 1 a 0, que custou o cargo de treinador.

"Antes de qualquer coisa, deixo o nosso mais amplo agradecimento ao Jorginho, ao Luiz e ao Joelton, pela forma como conduziram o trabalho, pela ética e por todo legado que deixaram no clube. Não foi uma decisão fácil, mas entendemos que precisava ser tomada e por isso tomamos", prosseguiu Faria.

O Vasco ocupa a 15ª colocação na tabela do Brasileiro, com 19 pontos, a apenas um da zona de rebaixamento. Para Alexandre Faria, a diretoria não pode errar no nome do próximo treinador para conseguir uma reação rápida na competição.

"A margem de erro num clube desse tamanho tem que ser a menor possível. Tenho convicção que o elenco é muito forte. Fizemos uma reunião com os atletas e mostramos que nossa classificação na tabela não condiz com a qualidade do grupo. Todos nós precisamos assumir responsabilidades para que juntos possamos comemorar no final do ano uma grande classificação no Brasileiro", finalizou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.