Rafael Ribeiro/Vasco
Rafael Ribeiro/Vasco

Vasco diz que vai à Justiça contra cessão do estádio do Maracanã a adversários

Alexandre Campello, presidente do clube, alega que rivais foram favorecidos irregularmente

Fábio Grellet e Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2019 | 17h08

O presidente do Vasco, Alexandre Campello, afirmou nesta terça-feira que vai entrar na Justiça contra a decisão do governo do Estado do Rio de Janeiro de ceder a gestão temporária do estádio do Maracanã para Flamengo e Fluminense. Ele considera que os dois clubes foram favorecidos irregularmente.

"Acho que é indevida essa colocação de dar ao Flamengo e ao Fluminense a gestão do Maracanã. O Maracanã é um aparelho do povo, construído a um custo superior a R$ 1 bilhão, e deveria ser colocado em prol do futebol, em benefício do futebol e atendendo a todos os clubes do Rio de Janeiro, não apenas a um ou dois. Nós achamos muito estranha a maneira como tudo aconteceu, a maneira como se deu essa cessão de direito e nós vamos protestar isso na Justiça", afirmou, ao chegar à sede da CBF, na Barra da Tijuca (zona oeste), para a posse do novo presidente da entidade, Rogério Caboclo.

Ao chegar para o mesmo evento, o secretário estadual de Esportes do Rio de Janeiro, Felipe Bornier, rechaçou a acusação do presidente vascaíno. "O Vasco também teve oportunidade de apresentar sua proposta (para gerir o Maracanã), não houve privilégio a ninguém", afirmou.

O Maracanã será administrado durante seis meses, a partir do próximo dia 19, pela dupla Flamengo e Fluminense. Os clubes vão arcar com o custo mensal de administração, de aproximadamente R$ 2 milhões. Para usar o estádio, os demais clubes terão de pagar.

Ao longo desses seis meses, o governo do Estado vai preparar uma licitação para escolher um gestor por tempo mais extenso. Segundo Bornier, as regras para essa licitação ainda estão sendo estudadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.