Vasco é acusado de ficar com dinheiro

O Clube dos 13, a Traffic e a Fifa informaram que fizeram repasses de dinheiro ao Vasco por conta dos direitos sobre as competições que o clube disputou em 1999 e 2000. Desta forma, confirmaram as acusações da Vasco da Gama Licenciamentos S/A (VascoLic), controlada pelo Bank of America, em litígio com o clube, de que os vascaínos fizeram retiradas de valores que, por contrato, pertenciam à empresa. Segundo a VascoLic, no total, o clube ficou com cerca de R$ 80 milhões que lhe pertenciam. A Agência Estado revelou o conteúdo do contrato em março de 2000.De acordo com a assessoria de imprensa do Clube dos 13, que administra os direitos do Campeonato Brasileiro, todos os repasses de dinheiro do ano de 2000 foram dados ao Vasco. No ano anterior, uma pequena parte do montante já tinha sido entregue ao clube. O Clube dos 13 alegou possuir uma carta da empresa autorizando que o Vasco recebesse pelos direitos de transmissão, publicidade e licenciamento de produtos.O presidente da Traffic, J. Hawilla, afirmou ter antecipado algumas das cotas pela participação do Vasco na Copa Mercosul, da qual a empresa detém os direitos de comercialização. Segundo ele, a Traffic não tinha a responsabilidade de remunerar o clube. Mas, a pedido de dirigentes vascaínos, adiantou algumas das verbas que seriam pagas pela Confederação Sul-Americana.As antecipações foram relativas a Mercosul de 2000 e 2001. Campeão do último ano, o Vasco recebeu US$ 3 milhões pelo título, que não foram repassados à VascoLic. Outra premiação que não chegou aos cofres da empresa foi o do vice-campeonato do Mundial de Clubes. A assessoria da Fifa informou ter entregue os US$ 5 milhões diretamente ao Vasco.A TV Globo já tinha confirmado ter pago ao clube aproximadamente R$ 37 milhões de antecipações de direitos. Pelo contrato entre o clube e o banco, assinado em 1998, todos os diretos de transmissão, publicidade e licenciamento pertencem a VascoLic, assim como as premiações e as bilheterias.O presidente do Vasco, Eurico Miranda, reafirmou que desfez o contrato de parceria com o Bank of America porque o banco estava inadimplente, ou seja, não estava pagando a cota mínima a que o clube tinha direito. O dirigente não deu explicações sobre o dinheiro recebido pelo clube, limitando-se a fazer acusações ao ex-parceiro. Segundo ele, o banco uniu-se à TV Globo para asfixiar o Vasco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.