Vasco e América fazem duelo de opostos no Estadual do Rio

Pior equipe na soma geral de pontos, time americano pode ser praticamente rebaixado em caso de derrota

Agência Estado,

26 de março de 2008 | 19h08

Vasco e América, que se enfrentam nesta quinta-feira, às 19h30, em São Januário, é conhecido como o Clássico da Paz. Com a segunda parte do rótulo, não há muito o que questionar. Mas com a primeira, poucos concordam atualmente. Com 12 pontos no Grupo B, o Vasco está em situação confortável para se classificar às semifinais da Taça Rio. Veja também: Botafogo encara o Cardoso Moreira atrás de vaga na semifinal Já o América, que há longos anos não figura na elite no futebol nacional, corre sério risco de ver sua estrela se apagar até mesmo dentro do Estado do Rio. Com cinco pontos no Grupo A e apenas seis na soma dos dois turnos do Campeonato Estadual, é o último classificado geral e uma derrota praticamente selaria seu rebaixamento. O Cardoso Moreira e do Mesquita são os outros candidatos ao descenso regional, com oito pon VascoTiago; Wagner Diniz, Jorge Luiz, Eduardo e Calisto; Jonílson, Beto, Leandro Bomfim e Alex Teixeira (Morais); Edmundo e Alan KardecTécnico: Alfredo SampaioAméricaPaulo Victor; Werley, Zé Carlos e Cléberson; Carlinhos, Rodrigo Silva, Bruno Carvalho, Fábio Augusto e Maciel; Osmar e MagnoTécnico: GaúchoÁrbitro: Nilton Feitosa do NascimentoEstádio: São JanuárioHorário: 19h30tos gerais, mas nem de longe carregam a tradição americana. Para piorar, o técnico Alfredo Sampaio recebeu uma boa notícia. O meia Morais reclamou de dores no joelho, mas treinou em São Januário nesta quarta-feira e deve ser liberado para a partida. Caso não jogue, Alex Teixeira tentará exercer sua função no meio-campo. "Vou jogar como segundo volante, o Leandro Bomfim deve ficar mais adiantado, e o Alex vai fazer a função do Morais", explicou o Beto, sobre o último coletivo antes da partida, quando Sampaio armou o meio com os três supracitados mais Jonílson. No entanto, se Morais tiver condições físicas, o treinador vascaíno poderá optar por deixar Alex Teixeira, mais ofensivo, e tirar o veterano Beto. "Ninguém gosta de ficar no banco. Se estiver bem, não vou ficar feliz com a reserva. Há uma briga saudável pelas vagas. Quem der duro, estiver melhor, vai ganhar a posição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.