Vasco e Fluminense duelam em clássico de olho no topo

Ao olhar a tabela de classificação do Campeonato Brasileiro pode-se chegar a uma conclusão equivocada sobre as ambições de Vasco e Fluminense. Apesar de separados por nove pontos (33 a 24, em favor dos vascaínos) e quatro posições (4.º e 8.º), os rivais entram para o clássico deste domingo, às 18 horas, no Engenhão, com a mesmíssima meta derradeira em mente: o título brasileiro.

LEONARDO MAIA, Agência Estado

21 de agosto de 2011 | 07h37

Mesmo com os altos e baixos, o clube tricolor tem um jogo a menos e ainda se dá o direito de sonhar com o bicampeonato. Apesar de valer apenas pela 18.ª rodada, o clássico tem um contorno de urgência para o time de Abel Braga. Uma vitória daria confiança e tranquilidade. "Falam tanta coisa sobre o Fluminense... e olha que estamos a quatro pontos do G-5. Estamos sempre olhando para cima. Um bom resultado diante de uma equipe que está perto do topo da tabela ainda pode nos dar algo a mais que está faltando", comentou Abel.

Por seu lado, o Vasco vê a partida como a chance mais imediata de assumir a vice-liderança e manter a proximidade com o líder Corinthians. Os comandados de Ricardo Gomes vivem momento de confiança plena, com oito vitórias nos últimos 10 jogos, mas precisam provar seu valor nos grandes clássicos. No primeiro embate estadual, contra o Botafogo, sofreu impiedosa goleada por 4 a 0. "No clássico tudo fica para trás. Falaram isso antes de enfrentarmos o Botafogo e deu no que deu", alertou Ricardo Gomes.

Para se manter ao alcance do topo, Abel Braga conta com o retorno de Fred, que foi poupado com dores musculares contra o Figueirense. Sua dúvida diz respeito a seu companheiro de ataque. Rafael Sóbis deve ganhar mais uma chance, apesar dos dois gols de Rafael Moura no meio de semana.

Ricardo Gomes também faz seu mistério e não adianta a formação de meio de campo. Ele tem Felipe e Eduardo Costa em boas condições físicas, mas não antecipa se vai poupar Juninho Pernambucano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.