Vasco empata outra e completa seis jogos sem vencer

As arquibancadas denunciavam que os recentes resultados estão a desanimar o torcedor do Vasco na campanha na Série B do Campeonato Brasileiro. Menos de 6 mil pessoas foram a São Januário presenciar o empate por 0 a 0 contra o Bragantino, nesta terça-feira. É a quinta igualdade seguida do Vasco na Segunda Divisão, a quarta sem gols. Ao todo são seis jogos sem vitórias na competição e o retorno à elite, que parecia tão certo, começa a ficar em dúvida.

AE, Agencia Estado

30 de junho de 2009 | 23h25

Com o resultado, o time cruzmaltino continua fora do grupo dos quatro primeiros - em sexto lugar, com 14 pontos - e pode cair ainda mais na tabela com o fim da nona rodada, no sábado. O Bragantino é o 12.º colocado, com 11 pontos.

"Vamos ser cobrados, não tem jeito. Temos que suportar isso e fazer de tudo para reverter a situação", disse o goleiro Fernando Prass, sob os gritos de "time sem vergonha" da torcida.

Era evidente que os jogadores vascaínos estavam sentindo a pressão desde o início de partida. O time do técnico Dorival Júnior errava muitos passes e permitia que o Bragantino tivesse as melhores oportunidades. Logo a dois minutos de jogo, Bill passou a Léo Jaime, que lhe devolveu em condição privilegiada de marcar. O atacante perdeu gol feito.

A noite se anunciava ruim para o Vasco. O lateral esquerdo Ramon, um dos destaques da equipe, precisou deixar o campo depois de sofrer uma lesão na clavícula em disputa de bola logo no primeiro minuto de partida. Ele foi levado para um hospital para fazer uma radiografia com suspeita de fratura. Rafael Morisco, um zagueiro, precisou ser improvisado no setor.

O Vasco respondeu apenas aos 22 minutos. Carlos Alberto avançou pela esquerda e cruzou para Nilton completar. Marcelo Godri salvou em cima da linha. Com dificuldades em superar o bloqueio da equipe de Bragança Paulista, a melhor arma cruzmaltina eram as bolas alçadas na área, mas com Elton no banco, não havia quem aproveitasse os lances de cabeça. E foi o que de mais relevante ocorreu na primeira etapa, em que o destaque negativo foi Léo Lima, muito vaiado pelos torcedores.

Mas Dorival optou por retirar o volante Nilton no intervalo, lançando o alto atacante Alan Kardec, justamente para aproveitar os cruzamentos. Aos três minutos, um lance polêmico. Bill invadiu a área e driblou Titi, a bola bateu no braço do zagueiro vascaíno, caído ao chão, mas o árbitro Carlos Eugênio Simon não assinalou a penalidade.

O Vasco continuava errando muito e pouco ameaçava a meta adversária. A torcida se impacientava e vaiava. O único momento de comemoração ocorreu quando o treinador cruzmaltino atendeu aos gritos da arquibancada e sacou Léo Lima para a entrada de Philippe Coutinho, aos 13 minutos.

O volume de jogo dos donos da casa cresceu, apesar da pouca produtividade de Carlos Alberto, que provavelmente fazia seu último jogo pelo Vasco. Aos 17 minutos, Rafael Morisco obrigou Gilvan a realizar boa defesa, em cobrança de falta. Robinho era o vascaíno mais produtivo, criando as melhores chances de gol, mas Gilvan se destacava, parando o ataque rival. O Bragantino, enquanto isso, cedia campo na esperança de encontrar um contra-ataque fatal.

O que quase ocorreu aos 39 minutos. Bill invadiu a área e passou para Juninho completar. Amaral se jogou ao chão, salvando em cima da linha. Dois minutos depois, o volante seria expulso ao cometer falta em Bill e receber o segundo cartão amarelo.

Ficha técnica

Vasco 0 x 0 Bragantino

Vasco - Fernando Prass; Paulo Sérgio, Vílson, Titi e Ramon (Rafael Morisco); Amaral, Nilton (Alan Kardec), Léo Lima (Philippe Coutinho) e Alex Teixeira; Carlos Alberto e Robinho. Técnico: Dorival Júnior.

Bragantino - Gilvan; Kadu, Carlinhos e Marcelo Godri; Tiago Almeida (Sandro Costa), Jair, Juninho (Paulinho), Rodrigo Costa e Diego Macedo; Léo Jaime e Bill. Técnico: Marcelo Veiga.

Árbitro - Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS).

Cartões amarelos - Paulo Sérgio e Alan Kardec (Vasco); Kadu, Marcelo Godri, Juninho e Diego Macedo (Bragantino).

Cartão vermelho - Amaral (Vasco).

Renda - R$ 82.679,00.

Público - 5.895 pagantes.

Local - Estádio de São Januário, no Rio de Janeiro (RJ).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.