Vasco enfrenta crise no departamento médico

A crise do Vasco já extrapolou o campo. Enquanto o time ocupa a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o ambiente no clube também ficou conturbado. Um dia após o presidente Eurico Miranda demitir o médico Alexandre Campello, os outros três profissionais, incluindo Clóvis Munhoz, responsável pelo departamento médico vascaíno, decidiram, em solidariedade ao companheiro de profissão, entregar o cargo.As desavenças começaram quando o meia Marcelinho, a mando de Eurico, viajou a São Paulo para realizar uma perícia médica com o objetivo de constatar a causa de suas constantes contusões sofridas neste ano - atuou apenas em seis partidas até agora. O resultado deu negativo e não foi diagnosticado nenhum problema crônico, que explicassem as freqüentes lesões musculares.Alexandre Campello havia determinado que Marcelinho trabalharia, em separado, por 40 dias, antes de o atleta voltar a jogar. A diretoria não concordou. Há 20 anos no clube, o médico alegou interferência em seu trabalho e decidiu sair do Vasco."Já tinha divergência e o que aconteceu com o Marcelinho motivou a minha saída", afirmou Alexandre Campello. O Vasco anunciou que Pedro Valentes será o novo vice-presidente médico do clube e o responsável por montar a nova equipe médica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.