Vasco/Divulgação
Vasco/Divulgação

Vasco faz acordo com empresa americana 777 Partners para também virar S/A: R$ 700 milhões por 70%

Conglomerado de investimentos de Miami é envolvido em diferentes setores; presidente vascaíno Jorge Salgado foi aos EUA detalhar os trâmites do acordo

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2022 | 18h17

O Vasco anunciou nesta segunda-feira que fechou um acordo com a empresa de investimentos americana 777 Partners para a criação e aquisição da Vasco SAF em uma negociação de R$ 700 milhões por 70% das ações. O presidente do clube carioca, Jorge Salgado, tinha viajado ao exterior na última semana para tratar de conversas já avançadas envolvendo empresas interessadas na compra. A dívida do clube atualmente gira em torno de R$ 700 milhões. 

A diretoria do Vasco vem estudando nos últimos meses a adoção do modelo de Sociedade Anônima do Futebol e ainda está em estágios iniciais do processo. O clube ainda passará pela due diligence (análise detalhada) das contas que durará 90 dias e precisará de aprovação tanto do Conselho Deliberativo quanto da Assembleia Geral dos Sócios. Aprovado em todas as fases, o acordo passa a valer.

O Vasco receberá da empresa R$ 70 milhões para tratar de despesas de curto prazo na forma de empréstimo, ainda passível de aprovação do Conselho Fiscal e, caso o acordo da SAF seja aprovado internamente, o valor será debitado do total de R$ 700 milhões. Dos 30% de ações restantes, o clube vai manter 10% das ações e poderá colocar 20% à venda para torcedores. O Vasco também cederá o direito de uso do estádio de São Januário para a SAF, enquanto mantém controle sobre outras três sedes.

“É com orgulho que anunciamos o maior acordo da história dos clubes brasileiros. Trabalhamos incansavelmente nos últimos meses para encontrar um parceiro de longo prazo, com capacidade financeira e operacional, que compartilhasse nossa ambição de recolocar o Vasco no seu lugar de Gigante do futebol, no Brasil e na América do Sul. Será o marco zero de um novo futuro, vencedor, sustentável e sem dívidas, tudo o que almeja nossa imensa torcida”, disse Salgado ao site oficial do clube.

QUEM É A 777 PARTNERS

A 777 Partners é uma empresa de investimentos de Miami, nos Estados Unidos, fundada em 2015 por Steven Pasko e Josh Wander, e está envolvida em diferentes setores econômicos da sociedade, da aviação ao entretenimento. Recentemente, passou a investir também no futebol. Em setembro do ano passado, virou sócia majoritária do Genoa e tem investido em contratações para tirar o time da penúltima posição do Campeonato Italiano. Em 2018, já havia adquirido uma parte minoritária das ações do Sevilla, da Espanha. 

“Estamos muito animados e orgulhosos por ter a oportunidade de nos unir ao incrível time do Vasco da Gama”, afirma Josh Wander, fundador e Sócio-administrador da 777 Partners. “Nós temos um imenso respeito pela rica história de sucesso do Vasco e seu papel pioneiro no apoio à inclusão social no esporte brasileiro. Estamos ansiosos para investir em uma cidade com uma das melhores concentrações de talentos no mundo, em um país que vive e respira futebol, assim como nós.”

A empresa conta ainda com participações na 1190 Sports, companhia responsável por comercializar os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro para o mercado estrangeiro. Além disso, investe na Fanatiz, um serviço de streaming que exibe especialmente o futebol para o público dos Estados Unidos.

O Vasco novamente voltará a disputar a Série B do Brasileiro neste ano após fracassar na tentativa de volta à elite na temporada passada. A equipe do técnico Zé Ricardo está na segunda posição do Campeonato Carioca, com 19 pontos, e tem clássico com o líder Fluminense, no sábado, às 17h. 

Como funciona a questão das dívidas dos clubes que viram SAF

A lei criou um mecanismo que facilita a quitação dos passivos. A SAF nasce sem dívidas, logo essas pertencem ao clube (associação). A lei diz que 20% da receita do clube-empresa e 50% dos lucros e dividendos, caso tenha, devem ser destinados ao clube (associação) para pagar as dívidas. O texto também criou o Regime Centralizado de Execuções (RCE), que permite renegociar dívidas trabalhistas e cíveis de forma unificada. O prazo para pagamento é válido por seis anos, mas pode ser ampliado para mais quatro, caso já tenha pagado pelo menos 60% da dívida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.