Marcos de Paula/AE - 13/2/2010
Marcos de Paula/AE - 13/2/2010

Vasco fica apenas no empate com o ASA por 1 a 1

Philippe Coutinho marca de pênalti no segundo tempo e evita derrota vascaína em Maceió

LEONARDO MAIA, Agencia Estado

17 de março de 2010 | 17h56

Em mais uma tarde de futebol pobre, o Vasco não saiu do empate com o ASA-AL por 1 a 1, nesta quarta-feira, em Maceió, pela segunda fase da Copa do Brasil. Dodô ficou entre os reservas, e Philippe Coutinho mais uma vez foi o solitário destaque vascaíno. Com o resultado, o jogo da volta se faz necessário, mas basta ao Vasco empate sem gols para avançar.

 

Veja também:

COPA DO BRASIL - Tabela

"O campo pequeno prejudicou o nosso toque de bola e facilitou a marcação quando eles assumiram a vantagem no placar", analisou o técnico Vágner Mancini, ciente das carências de sua equipe. "Estamos sobrecarregando o Phillipe, querendo que ele resolva tudo sozinho".

Com o tamanho reduzido do campo, as equipes chegavam rapidamente à área adversária. Mas faltava qualidade, principalmente dos vascaínos, de quem se esperava mais. O time de Mancini tinha apenas duas estratégias: bola alçada na área e nos pés de Philippe Coutinho, que se matava em campo para suprir tantas deficiências.

Foi dele a chance mais clara no início. Aos 14 minutos, deixou um marcador no chão e chutou forte da entrada da área, para bela defesa de Paulo César. No mais, apenas um chutão sem direção de Márcio Careca, na marca do pênalti.

Aos poucos, os donos da casa - que jogavam no campo do Corinthians Alagoano - perceberam que podiam ousar. E assim, abriram o placar. Júnior recebeu bom passe na meia-lua de Celso, matou Márcio Careca no domínio e chutou sem defesa: 1 a 0 ASA, aos 39 minutos.

Ao perceber que o panorama não mudara no início do segundo tempo, Mancini desfez o esquema com três zagueiros e colocou Souza, reforçando o meio de campo. O Vasco passou a controlar mais a bola, ainda que em grande parte pelo recuo adversário. Mas o futebol continuava deficitário e a igualdade só veio em cobrança de pênalti. Aos 18 minutos, Philippe Coutinho deslocou o goleiro e chutou no canto oposto.

O time carioca apertou ainda mais a pressão, mas o gramado atrapalhava o toque de bola e facilitava a marcação alagoana. Aos 28, Dodô entrou no lugar de Paulinho, para tentar dar mais força ofensiva. E não conseguiu. A chance da vitória ainda lhe caiu nos pés, aos 47. Mas o questionado atacante finalizou mal.

ASA 1 X 1 VASCO

ASA - Paulo César; Celso, Plínio, Édson e Índio; Lê, Didira, Jota e Fábio Lopes (Tiago); Rodriguinho (Cleiton) e Júnior Viçosa (Danilo). Técnico - Viça.

Vasco - Fernando Prass; Gustavo (Souza), Fernando, Gian; Élder Granja, Rafael Carioca, Paulinho (Dodô), Jéferson (Giovani Maranhão) e Márcio Careca; Philippe Coutinho e Rafael Coelho. Técnico - Vágner Mancini.

Gols - Júnior, aos 39 minutos do primeiro tempo; Philippe Coutinho, aos 18 minutos do segundo tempo.

Juiz - Cláudio Francisco Lima e Silva (SE).

Cartão amarelo - Didira, Jota, Paulo César, Philippe Coutinho, Elder Granja, Gian e Rafael Carioca.

Renda - R$ 81.990,00.

Público - 3.097 pagantes.

Local - Nelson Feijó, Maceió (AL).

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilVascoASA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.