Vasco joga em Curitiba sem seu matador

Pela primeira vez em 2005, o Vasconão contará com o seu melhor jogador: o atacante Alex Dias,suspenso. Ruim com ele, pior sem ele. E a situação ainda podeficar mais crítica: Romário é outro provável desfalque ? eledeve ser poupado para aprimorar a parte física. A equipecruzmaltina vive um drama no Campeonato Brasileiro: esboçoureação com a chegada do técnico Renato Gaúcho, mas voltou aexibir nas últimas rodadas um futebol nada satisfatório. Nestedomingo, precisa render bem para superar o Coritiba, às 16 horas no estádio Couto Pereira, em Curitiba, a fim de se afastar umpouco mais da zona de descenso. A palavra rebaixamento desperta más lembranças em SãoJanuário. O assunto é até evitado na sede do clube, embora sejanovamente uma realidade. No Brasileiro de 2004, o Vascoassegurou sua permanência na Primeira Divisão na penúltimarodada. O sofrimento daquela época ainda não saiu da memória dosvascaínos. O técnico Renato Gaúcho, no entanto, é otimista por natureza.Mesmo com a tabela de classificação em mãos, ele não fala sobrea possibilidade de o Vasco ser rebaixado. Para ele, o timechegará a brigar por uma vaga na Copa Sul-Americana ?classificam-se os clubes posicionados entre o 5.º e o 11.º lugardo Brasileiro. Renato Gaúcho, porém, não é de tapar o sol com a peneira. Sabeque a equipe caiu de produção e também não se mostra nem umpouco satisfeito com a zaga vascaína, a de pior desempenho doBrasileiro, ao lado do Paysandu ? sofreu 58 gols em 27 partidas,média de 2,14 por jogo. "Vencer fora de casa tem que ser umobjetivo permanente das equipes que sonham alto na competição",disse o técnico, desapontado com o desfalque de Alex Dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.