Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Vasco pega atletas e técnicos de surpresa e encerra esporte paralímpico

Clube alegou corte de gastos por causa da pandemia; folha salarial do paradesporto era de R$ 40 mil

João Prata, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2020 | 13h56

O Vasco acabou com o esporte paralímpico com a justificativa de cortar gastos por causa da pandemia do novo coronavírus. A decisão pegou a comissão técnica e os atletas de surpresa, pois a folha salarial total não passava de R$ 40 mil mensais.

A informação foi divulgada pelas redes sociais do paradesporto do Vasco. "Brigamos até o fim. Uma luta bem desleal porque não tivemos direito à defesa, porém o comitê gestor, junto com nosso vice-presidente, Francisco Vilanova, e o presidente, Alexandre Campello, decidiram finalizar com os esportes paralímpicos." 

A coordenadora do paradesporto e técnica de natação do clube, Lívia Prates, disse que manterá o treinamento de todos os atletas durante a quarentena. "Conversei com todos. Eles continuam em atividade dentro de casa. Assim que flexibilizar o período de isolamento social encontraremos um novo local para treinar. A dispensa do Vasco não afetará nosso planejamento", disse ao Estado.

Lívia revelou que os salários da comissão técnica do Vasco estão atrasados desde dezembro. Ela começou a desconfiar do encerramento do paralímpico há duas semanas, quando todos os atletas olímpicos receberam aviso ou de suspensão de contrato ou de redução de salário. "Procurei o vice-presidente (Francisco Vilanova) para saber. Disseram que não seria mexido. Ficamos tranquilos dentro do possível."

As atividades continuaram normalmente em casa respeitando a quarentena: 80% dos paratletas do Vasco são grupos de risco. Na sexta-feira, Lívia recebeu mensagem do vice-presidente para uma reunião presencial na segunda-feira com objetivo de discutir planejamento. Pediu a presença dos 21 atletas assalariados. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Brigamos até o fim! Uma luta bem desleal porque não tivemos direito a defesa, porém o “Comitê Gestor junto com nosso Vice Presidente Francisco Vilanova e Presidente Alexandre Campello, decidiram finalizar com os esportes paralimpicos. O paralímpico do Vasco, mesmo sendo a modalidade âncora dos projetos da CBC que o clube captou para a reforma da piscina, algo em torno de R$1.200.000,00 e que se tivesse a tal CND poderia estar recebendo verba em todos os editais; Sai, nesse momento apequenado como parecendo uns coitados, já que não pode falar aleijados, vamos falar PCD que é mais social. Sai pela porta dos fundos meio a uma pandemia sem sequer ser citado pelo Presidente nas entrevistas. O paralímpico do Vasco, Que sempre volta com medalhas das Paralimpíadas, que em outras épocas eram motivo de orgulho!!! Dávamos volta olímpica no campo de são Januário e éramos felicitados pela torcida. Nos últimos tempos não recebíamos nem parabéns, mas ok estávamos lá fazendo nosso trabalho. O paralímpico do Vasco Pentacampeão Brasileiro (invicto) de Futebol de 7. A 3a força do Brasil na natação, que as últimas viagens tivemos que pagar do próprio bolso mas mantivemos o clube no pódio, Semi finalista de voleibol sentado, acabou morrendo na praia, na sombra dos esportes Olimpicos. Esses sim permanecem todos no clube, justo. O paralimpico do Vasco, que deixa órfãos esportivamente 128 alunos/atletas. Mas o paralímpico do Vasco, fez parte da história linda que o Vasco tem de inclusão, de pioneirismo, isso ninguém vai poder apagar. O paralimpico do Vasco tem tanto carinho pelo clube que se realmente for comprovado que os R$ 17.800,00 mensais (valor total BRUTO dos vencimentos de TODA a folha salarial da comissão técnica da modalidade incluindo técnicos, auxiliares técnicos e coordenação) forem sanar a crise financeira que a “pandemia’ está gerando no clube, sai feliz por poder ter mais uma vez ajudado ao Clube, porém, se todo esse aporte financeiro mensal supracitado não influenciar em nada, sairemos com a duvida que não quer calar: Porque apenas os deficientes precisam deixar o clube, já que todos os outros atletas serão mantidos?

Uma publicação compartilhada por Vasco Paradesporto (@paradesportocrvg) em

"Botei debaixo do braço todo o planejamento, convoquei todos e fomos. Chegamos lá só tinha a gente. Marcaram às 13h. Quando foi 14h a secretária da vice-presidência desceu e falou que era para entrar um por um no RH pois naquele momento estávamos recebendo aviso de dispensa. Tentei argumentar que os atletas poderiam pedir demissão para evitar mais gastos e que mantivessem as cinco pessoas da comissão técnica. Disseram que não, que a modalidade estava encerrada." 

Os 21 atletas de ponta do Vasco recebem apenas um salário mínimo para representar o clube. Em nenhum dos casos esse dinheiro é a principal fonte de renda. Por isso a proposta de manter somente a comissão técnica, que tem custo mensal de R$ 17.800 para o clube. 

"Se (esse valor) for sanar a crise financeira que a pandemia está gerando no clube, (o esporte paralímpico) sai feliz por poder ter mais uma vez ajudado ao Clube. Porém, se todo esse aporte financeiro mensal supracitado não influenciar em nada, sairemos com a dúvida que não quer calar: 'Porque apenas os deficientes precisam deixar o clube, já que todos os outros atletas serão mantidos?'", encerrou a nota publicada no Instagram.

O esporte paralímpico do Vasco tinha como meta ter pelo menos seis atletas representando o Brasil nos Jogos de Tóquio - dois do vôlei sentado e quatro da natação. Entre os atletas demitidos, talvez a mais conhecida seja a nadadora Camille Rodrigues, campeã pan-americana. Ela tem a perna direita amputada, nada na classe S9. Há dois anos foi destaque na nova abertura do Fantástico. Outro destaque do clube era a nadadora Joana Maria, que no Parapan de Lima, no ano passado,conquistou quatro ouros, duas pratas e um bronze.

O clube é também a base da seleção brasileira do futebol de 7, que saiu do quadro das Paralimpíadas. O Vasco era pentacampeão brasileiro nessa modalidade. O fim do esporte paralímpico impactará o total de 128 alunos, de crianças a adultos do alto rendimento. "Não entendi até agora porque colocaram um segurança na porta do RH no dia que fomos assinar o acordo de demissão. Mas o clima estava bem estranho. Não deram espaço para negociação. Em dado momento, pediram que a gente se retirasse."

Nota oficial do Vasco enviada ao Estado.

Como informado na última segunda-feira (11/05), o Club de Regatas Vasco da Vasco da Gama tem sido obrigado a readequar seu quadro de colaboradores em virtude, especialmente, das dificuldades financeiras impostas pela pandemia da Covid-19. Nesse contexto, as atividades da divisão paralímpica foram encerradas momentaneamente, até que o Clube reúna novamente condições de investir em uma área pela qual sempre demonstrou apreço. Ressalte-se de que o Clube não dispõe de recursos incentivados. Toda a divisão paralímpica do Vasco, com investimento de R$ 1 milhão/ano, entre salários, viagens, despesas com competição, uniformes e encargos operacionais, era custeada pela própria Instituição.

O cenário de queda abrupta e significativa das receitas não deixa alternativa senão a adoção de medidas dolorosas para fazer frente à pandemia e à consequente crise econômica. O momento exige decisões duras em nome da sobrevivência do Clube. 

A Diretoria Administrativa agradece aos atletas e à comissão técnica da divisão paralímpica por sua dedicação ao Club de Regatas Vasco da Gama.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.