Vasco protesta contra CPI e PF

Chegou a ser patética a manifestação que a diretoria do Vasco organizou nesta quinta-feira, em São Januário, a fim de formalizar protesto contra a ação de agentes da Polícia Federal e de integrantes da CPI do Futebol, do Senado, que levaram documentos do clube para investigar denúncias de irregularidades. Até criancinhas das escolas de futebol do Vasco foram mobilizadas para participar do ato, que reuniu cerca de quatro mil pessoas.A direção do clube chegou a batizar a data de hoje como o "Dia do Repúdio ao Arbítrio e à Violência". Mas foram os próprios dirigentes do clube, sob o comando do deputado federal Eurico Miranda (PPB-RJ), hoje presidente do Vasco, que deram várias demonstrações de arbítrio ao longo dos últimos meses, impedindo, por exemplo, a imprensa de ingressar em São Januário. Também estiveram no estádio para o ato vários chefes de torcida - alguns deles trabalham como assessores de Eurico.Curiosamente, a manifestação ocorreu num momento em que o Vasco acumula atraso de pagamento de salário de seus funcionários (alguns não recebem nada há sete meses) e um prejuízo de mais de R$ 50 milhões, com a perda dos passes de Juninho Pernambucano, Júnior Baiano e Edmundo, por causa do calote.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.