Vasco resolve impor lei do silêncio

A diretoria do Vasco decretou, nesta quarta-feira, a lei do silêncio a seus funcionários, três dias após ver a equipe cruzmaltina entrar na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Em São Januário, somente o presidente Eurico Miranda pode conceder entrevista diariamente, mas ele abriu uma exceção: 24 horas antes de qualquer confronto, o técnico Dário Lourenço poderá se pronunciar aos jornalistas. No Vasco, há uma corrente contrária à liberdade de expressão do treinador, que tem por costume criticar o desempenho de alguns jogadores após as partidas, algo não aceito pelos dirigentes. Em São Januário, o trauma pela fuga do descenso em 2004, na penúltima rodada do Brasileiro, deixou seqüelas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.