Marcelo Sadio/Divulgação
Marcelo Sadio/Divulgação

Vasco sai em defesa de Carlos Alberto, que foi flagrado em exame antidoping

Clube carioca afirma que o resultado se deve a uma possível "contaminação cruzada'

AE, Agência Estado

16 de abril de 2013 | 17h01

RIO - O Vasco confirmou nesta terça-feira que o meia Carlos Alberto foi flagrado em teste antidoping realizado no início de março, no clássico com o Fluminense, pelo Estadual. Se o exame de contraprova comprovar o resultado positivo, o jogador de 28 anos poderá ser suspenso por até dois anos. Em nota, o clube defendeu o jogador e disse que o resultado se deve a uma possível "contaminação cruzada na confecção dos suplementos medicamentosos os quais o atleta já faz uso há mais de um ano, com autorização do clube".

Segundo o Vasco, Carlos Alberto se submeteu a um tratamento ortomolecular recentemente. O clube, porém, não deu maiores detalhes. "Estamos tomando todas as medidas necessárias para identificar as causas desse problema e apresentar a defesa do atleta". Se for punido, o meia poderá não mais jogar pelo Vasco, uma vez que seu contrato termina em agosto deste ano. O Vasco, no entanto, já manifestou interesse em ter o atleta no Campeonato Brasileiro. Mas nenhuma tratativa nesse sentido foi firmada.

O teste que foi realizado flagrou a presença das substâncias hidroclorotiazida e carboxi-tamoxifeno na amostra de urina do jogador. O primeiro é um diurético, proibido porque pode mascarar a presença de outras substâncias no organismo do atleta. Já o segundo é um derivado do tamoxifeno, medicamento utilizado no tratamento do câncer de mama. Apesar do teste ter sido realizado em março, o resultado só foi divulgado pela Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro na segunda-feira. "Foi solicitado pelo atleta a análise da contraprova ao laboratório LADETEC, no prazo legal", informou o departamento médico vascaíno.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolVascoCarlos Alberto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.