Vasco: Silêncio e vergonha na volta

O Vasco viveu nesta quinta-feira um dia de vergonha, tristeza e humilhação, após a vexatória goleada sofrida para o Atlético Paranaense, por 7 a 2, no Estádio Arena da Baixada, na quarta-feira, pela 15.ª rodada do Campeonato Brasileiro. No desembarque no Rio, o time se calou e apenas o técnico Renato Gaúcho conversou com os jornalistas, sendo hostilizado por cerca de dez torcedores durante todo o tempo: "Timinho", "Time sem vergonha", "Fora Eurico" e "Goleiro de botão", foram frases de protestos entoadas."Eu tenho vergonha na cara. Quem vive no futebol tem que saber encarar. É nas dificuldades que surge o grande homem, o grande jogador. Precisamos ter atitude", disse o técnico do Vasco. "O protesto é algo é normal, já passei por situações deste tipo quando era jogador e agora como técnico. Não será a primeira vez nem a última." A goleada por 7 a 2 para o Atlético-PR foi a terceira pior da história vascaína. Antes, o time havia sofrido mais de seis gols somente em dois jogos, em 1916, contra o Paladino FC, por 10 a 1, pela 3.ª divisão do Campeonato Carioca, e, em 1917, para o Catete Futebol Clube, por 6 a 0, pelo Carioca da 2.ª divisão. Por isso, o treinador do Vasco disse entender os torcedores.E, mesmo com os protestos, o técnico vascaíno optou por não eleger um único vilão para o vexame no Paraná. Frisou que neste tipo de situação todos são culpados e, por isso, devem arcar com as conseqüências. E o único lamento do treinador foi para a falta de tempo para treinar e tentar acertar o time."O problema está no meio, no ataque, na defesa, no gol, no grupo. Aqui será sempre no plural. E fui eu que pedi para os jogadores não falarem", disse Gaúcho, sem mostrar preocupação com a incômoda presença na zona de rebaixamento da tabela de classificação do Brasileiro, com apenas 12 pontos em 15 jogos. "Nem temos tempo para trabalhar, mas vamos melhorar. E asseguro que para a segunda divisão não cairemos." STJD - E a situação do Vasco poderá piorar ainda mais, já que o clube continua ameaçado do perder 12 pontos na tabela de classificação, por supostamente ter escalado o volante Ygor em situação irregular. O procurador do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Murilo Kieling, informou que aguarda uma resposta do Departamento Técnico da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para decidir se denunciará o time carioca."A CBF precisa me informar se comunicou aos clubes, tanto Vasco quanto Brasiliense se os cartões tinham sido anulados ou não. Ela consultou o STJD logo após o julgamento, mas não sei se informou a nossa resposta aos clubes", explicou o procurador.O Vasco poder ser punido, porque a CBF o denunciou no STJD pela escalação irregular do atacante Ygor contra o Flamengo e Santos. Para a entidade, o jogador deveria ter cumprido suspensão automática contra o Rubro-Negro, já que o cartão amarelo recebido contra o Brasiliense não poderia ter sido contado pelo clube carioca, por causa da anulação da partida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.