Rafael Ribeiro/Vasco
Rafael Ribeiro/Vasco

Vasco tenta segurar o Caracas fora de casa para continuar na Sul-Americana

Time carioca venceu a primeira partida por 1 a 0, único resultado positivo dos últimos 11 jogos

Redação, Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2020 | 08h04

Ricardo Sá Pinto tem seu primeiro teste decisivo pelo Vasco nesta quarta-feira, na Venezuela. Com apenas um triunfo nos últimos 11 jogos, justamente diante do Caracas, o time buscará sua vaga nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Para isso, os cariocas tentarão segurar o empate diante do campeão venezuelano.

O zagueiro e capitão Leandro Castán retorna para organizar e orientar o sistema defensivo. Formará dupla com Miranda. E não levar gol em Caracas garante a classificação após o 1 a 0 em São Januário. O Vasco joga pelo empate, ou derrota por um gol de diferença desde que faça gol. Revés por 1 a 0 leva a decisão para os pênaltis.

Mas a meta vascaína não é ficar apenas segurando o empate. Ciente que o gol fora tem peso dobrado, Sá Pinto também quer o time buscando o ataque. Daí a importância do retorno de Benítez na armação. O meia costuma ser peça importante para os atacantes do clube. Cobrador de faltas e escanteios, vira e mexe se destaca com uma assistência.

Resta saber quem ele vai municiar na Venezuela. O Vasco tem problemas ofensivos. Ainda sem Cano, machucado, o time perdeu outro atacante argentino: Guilherme Parede. O Talleres pediu a volta do jogador e o clube brasileiro acabou rescindindo o contrato de empréstimo. Parede se despede sem nenhum gol no clube, mas com a assistência para o marcado por Tiago Reis no jogo da ida, vencido por 1 a 0.

Ygor Catatau foi expulso no primeiro jogo e Talles Magno faz tratamento intensivo para ver se consegue superar um trauma na bacia sofrido no empate diante do Goiás. Viajou com o elenco, mas não está garantido.

O retrospecto do Vasco na Venezuela anima os torcedores cruzmaltinos. Jamais o Vasco perdeu no país. Foram duas vitórias e um empate: triunfos por 1 a 0 sobre o Deportivo Tachira e um 0 a 0 com o Galícia.

Ciente da importância do jogo, mas também com a cabeça no clássico de sexta-feira com o Deportivo Táchira no campeonato local, o Caracas promete se desdobrar nas duas competições. O técnico Noel Sanvicente promete escalação ofensiva para reverter o resultado.

Se os venezuelanos foram mais precavidos no Rio, em casa vão atacar com Hernández, Blanco e Clis. Querem pressionar desde o início para abrir o marcador e quebrarem com o sistema defensivo vascaíno.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolVasco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.