Vasco treina à noite antes de confronto contra o Americano

Medida que teria partido de Romário, com o objetivo de afastar os torcedores da atividade

22 de janeiro de 2008 | 20h33

O Vasco teve uma novidade extra na preparação para a partida contra o Americano, nesta quarta-feira, em são Januário, em busca dos primeiros pontos no Campeonato Carioca. O time treinou às 20 horas, medida que teria partido de Romário, com o objetivo de afastar os torcedores da atividade. No último domingo, a irritação com a derrota por 2 a 1 para o Madureira fez a torcida vaiar o presidente interino Eurico Miranda e até o atacante, transformado agora em técnico. E essa não foi a única medida polêmica tomada pelo clube, que proibiu todos os jogadores de dar entrevistas após a partida, independentemente do resultado. A decisão, até segunda ordem, vale até o fim do ano, e apenas o auxiliar-técnico Alfredo Sampaio, que substitui o suspenso Romário no banco de reservas, vai falar depois das partidas. O recém-contratado Edmundo, cuja contratação é uma tentativa de aplacar a fúria da torcida em relação às transações da diretoria, só deverá estar apto a daqui a três semanas, segundo as previsões do preparador físico do clube, Luiz Flávio. Edmundo está 1,5 quilo acima do peso ideal e será submetido a um regime de treinos, como se estivesse em uma pré-temporada normal. "Não vamos queimar etapas. Faremos um trabalho completo", diz o preparador. Edmundo treinou nesta terça em dois períodos, separado do restante do grupo, que só treinaria à noite. A boa notícia fica por conta da confirmação de que Morais está liberado para jogar. O meia havia sofrido uma lesão no ombro no último lance da derrota para o Madureira e preocupava os médicos e a comissão técnica. O jovem atacante Alan Kardec já antecipa a pressão para a partida desta quarta e pede paciência e o apoio da torcida: "A equipe foi bem, faltou um pouco de sorte. Precisamos que o torcedor nos apóie mais do que nunca".

Tudo o que sabemos sobre:
VascoCarioca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.