Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC
Pedro Ernesto Guerra Azevedo/Santos FC

Vecchio pede paciência com Rodrygo no Santos, mas elogia: 'Parece ter 30 anos'

Atacante de 17 anos foi decisivo na virada diante da Ponte Preta pelo Campeonato Paulista

Estadão Conteúdo

26 Janeiro 2018 | 17h18

O jovem Rodrygo saiu do banco na última quinta-feira para definir a vitória do Santos sobre a Ponte Preta por 2 a 1, fora de casa, pelo Campeonato Paulista. O gol marcado pelo atacante de 17 anos aos 46 minutos do segundo tempo fez os companheiros se renderem ao seu talento, como demonstrou o meia Vecchio nesta sexta.

+ Rodrygo festeja primeiro gol pelo Santos: 'Estou sonhando acordado'

+Jair elogia Rodrygo e pede paciência com reestreia de Gabriel no Santos

"O Rodrygo é um menino especial, não só porque pelo que joga, mas também pelo que é fora do campo. É muito maduro pela idade que tem, muito educado e trabalha muito bem. Ontem, ajudou o time, fez o gol da vitória. Confiamos nele, como confiamos em todos os meninos. Mas, mais do que tudo, precisamos ter paciência. Tem um potencial muito grande e tentaremos ajudar para que se saia o melhor possível", avaliou.

Apesar do pedido de "paciência" com o garoto, Vecchio mostrou confiança no potencial do colega. Para o argentino, Rodrygo é o mais novo exemplo da tradição santista de revelar grandes jogadores, principalmente no setor ofensivo.

"O Santos tem algo que é muito especial. Você vê jogadores de 15, 16, 17 anos com uma qualidade muito grande. Não só o Rodrygo, tem muita gente com valor, com qualidade. O Rodrygo parece que tem 30 anos quando joga, é muito maduro", considerou.

Em breve, o time alvinegro terá o retorno de outro destes "meninos da Vila". O atacante Gabriel acertou a volta ao clube por empréstimo, após fracassar na Inter de Milão e no Benfica, e será novamente companheiro de Vecchio no Santos após um ano e meio na Europa.

"Já joguei com o Gabriel. É um cara ganhador, que trabalha muito forte. É um reforço muito importante. Sabemos que nosso jogo este ano será mais no coletivo do que no individual. Tenho certeza que ele, além de toda capacidade que tem, vai trabalhar coletivamente e vai ajudar muito", projetou Vecchio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.