Divulgação / Nike
Divulgação / Nike

Veja a evolução de todas as camisas da seleção brasileira de futebol

Desde 1914 uniforme passa por modificações nas cores e conta com diversas inovações tecnológicas

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

21 de março de 2018 | 16h01

A primeira vez que a seleção brasileira entrou em campo foi em 21 de julho de 1914, contra os ingleses do Exeter City. Na ocasião, utilizou um uniforme branco, com detalhes em azul. Desde então, a roupa de jogo da equipe passou por uma grande evolução, com mudança de cores, estilo e muita tecnologia envolvida.

CONFIRA A EVOLUÇÃO DO UNIFORME DA SELEÇÃO BRASILEIRA

← Role para ver →

Se no início o branco predominava, o verde e o amarelo entraram em campo em 1916. No ano seguinte, a seleção contou com uma camisa vermelha, pois o Chile entrou em campo de branco. Mas até 1950, o uniforme era quase sempre camisa branca com calção azul. Só que após a derrota para o Uruguai, na Copa disputada em casa, o uniforme tradicional foi aposentado.

No Mundial seguinte, disputado em 1954, na Suíça, o Brasil apresentou sua camisa amarela, consagrada até hoje. O gaúcho Aldyr Garcia Schlee venceu um concurso com seu modelo e a partir daí a camisa canarinho foi predominante como o uniforme um da seleção. Quatro anos depois, o Brasil foi campeão do mundo pela primeira vez.

Em 1971, a fabricante de material esportivo Athleta fez o novo uniforme da seleção, já com três estrelas acima do escudo. Em 1977, a CBD, que depois virou CBF, assinou o primeiro contrato com uma empresa do ramo, a adidas, que passou a fazer as camisas. Depois vieram Topper (1979), Umbro (1991) e Nike (1997).

Com o passar dos anos, diversas camisas foram lançadas e a tendência atual aposta na tecnologia para melhorar a performance dos jogadores. Parte dessa história da evolução das camisas da seleção pode ser lida no livro "A história das camisas de todos os jogos das Copas", de autoria de Rodolfo Rodrigues e Paulo Gini, com ilustrações de Maurício Rito. É uma publicação da Panda Books.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.