Lucas Figueiredo/ CBF
Lucas Figueiredo/ CBF

Veja números de craques da seleção e vote: em que patamar está Neymar?

Atual camisa 10 é o terceiro maior artilheiro do time nacional, mas conquistou apena a Copa das Confederações em 2013, contra a Espanha

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de outubro de 2019 | 10h32

Com 100 jogos e 61 gols marcados pela seleção brasileira, Neymar disse merecer privilégios por ter carregado o time canarinho nas costas. O atacante é o terceiro maior artilheiro da equipe nacional, atrás apenas de Ronaldo e Pelé. Em relação a títulos, porém, Neymar tem apenas um pela seleção principal: a Copa das Confederações de 2013, disputada no Brasil, quando o time bateu a Espanha no Maracanã. Ele também conquistou o ouro olímpico em 2016, no Rio de Janeiro, com o time sub-23.

O Estado mostrou nesta quinta-feira opiniões de craques brasileiros das Copas do Mundo de 1958, 62, 70, 94 e 2002. Eles analisaram o tamanho de Neymar na história da seleção e divergiram quanto à posição do atacante no seleto rol dos principais jogadores de todos os tempos. No resumo, Neymar tem lugar no time, mas ainda precisa comer mais arroz com feijão. Agora, o Estado mostra números de craques do passado pela seleção e convida o leitor a votar na enquete sobre em qual patamar está Neymar para o Brasil atualmente. Participe!

Pelé 

O Rei do Futebol, prestes a fazer 79 anos, é o maior artilheiro da seleção brasileira de todos os tempos, com 77 gols. Pelé ainda conquistou três Copas do Mundo: em 1958, 62 e 70, no auge de sua carreira, aos 29 anos. Em sua estreia pela seleção em Mundiais, o eterno camisa 10 tinha apenas 17, na época o jogador mais jovem a atuar em uma Copa. Seus gols decisiram partidas para o Brasil na competição. Na final da Copa de 1970, no México, por exemplo, Pelé marcou o primeiro dos quatro gols contra a Itália.

Ronaldo

O ex-centroavante é o segundo maior goleador da seleção brasileiro, com 62 gols. No currículo, soma duas Copas do Mundo. Em 1994, foi reserva na conquista do tetra nos Estados Unidos, tinha 17 anos apenas. Mas em 2002, Ronaldo marcou dois gols na final contra a Alemanha e garantiu o penta sob o comando de Felipão. Ainda conquistou a Copa América em 1997 e 99 e a Copa das Confederações em 1997. Foi decisivo na conquista de 2002, mesmo se recuperando de lesão ao longo da disputa.

Romário

Quarto maior artilheiro da seleção, com 55 gols, o Baixinho foi um dos principais jogadores na conquista do tetra em 1994. Para muitos, ele foi o cara do tetra. Não à toa estava na janelinha do avião carregando a bandeira brasileira quando a aeronave desceu no Brasil. Tem no currículo também os títulos da Copa América de 1989 e 1997, além da Copa das Confederações de 1997. Nas Eliminatórias de 1993, foi dele os dois gols contra o Uruguai no jogo que classificou o Brasil para a Copa de 1994. Portanto, gols que mantiveram a escrita de o País nunca ter ficado fira de um Mundial da Fifa.

Zico

O ex-meia do Flamengo não conquistou títulos pela seleção, mas tem seu nome marcado principalmente por causa da Copa de 1982, quando o time encantou o mundo sob o comando de Telê Santana. É o quinto maior artilheiro da seleção, com 48 gols. Para muitos, a quela seleção encantou. Mas em conquistas, Zico ficou devendo com a camisa amarelinha. 

Ronaldinho Gaúcho

Campeão mundial em 2002, o ex-meia é o nono jogador com mais gols pela seleção brasileira: marcou 33 vezes. Também conquistou a Copa das Condeferações de 2005 e a Copa América de 1999. Em 2002, ao lado de Ronaldo e Rivaldo, era um dos principais jogadores do time, mas sua Copa era para ter sido a de 2006, quando a seleção voltou mais cedo para casa diante da França, nas quartas de final. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.