Paulo Liebert/Estadão
Paulo Liebert/Estadão
Imagem Ugo Giorgetti
Colunista
Ugo Giorgetti
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Vencedores e vencidos

O futebol vem da arte, que tanto nos ensina

Ugo Giorgetti, O Estado de S.Paulo

28 Outubro 2018 | 05h00

Sábado teve um clássico no Maracanã de grande tradição no futebol brasileiro. Infelizmente não sei o resultado. Estou escrevendo na tarde de sexta feira, dia em que devo entregar a coluna da edição de domingo. Essa é uma das agruras, no meio de tanta coisa boa, de se escrever nas sextas. Por estas horas de domingo, são quatro da tarde agora, todos os leitores já sabem o resultado. Até eu mesmo já estarei sabendo, mas essa informação já não me serve para nada, não poderá ser utilizada na coluna.

Todas as indagações foram respondidas dentro do campo. O Palmeiras mostrou abatimento pela derrota na Bombonera? Sentiu muito os desfalques dos suspensos? Felipão se saiu melhor do que contra o Boca e conseguiu segurar o 0 a o? E da parte do Flamengo? Dorival, o mais improvável dos técnicos que jamais os torcedores do Flamengo almejaram, conseguiu mais uma vitória nesse seu começo fulminante?

Espero que tenha sido um jogo digno do que esses times muitas vezes apresentaram no decorrer dos anos. Como daqui desta sexta feira não posso dizer o que aconteceu, rememoro. Vi Flamengo x Palmeiras através das épocas. Vi o Flamengo desde os tempos do dr. Rubens – para quem não sabe, não se trata do médico do clube, mas de um meia tão talentoso que era tratado por doutor. Vi o Palmeiras de Mazzola, Altafini na Itália, com seus arranques alucinados em direção do gol. Vi Zico, Jorge Mendonça, Junior, Andrade, Adílio, Leão e Jorginho.

Tenho certeza de que poderia escrever muito sobre o jogo deste sábado, apesar das diferenças entre os tempos e os craques. De qualquer maneira, jogos como Palmeiras x Flamengo, às vezes, marcam momentos históricos. Muitas vezes são lembrados pela proximidade ou mesma pela participação em acontecimentos decisivos. Quem quer que tenha feito a tabela do Brasileirão 2018 não poderia ter ideia mais apropriada do que cravar um Palmeiras x Flamengo como jogo de despedida de um Brasil que inevitavelmente seria outro nos dias seguintes ao jogo.

Foi como uma homenagem a um país que, com todos os defeitos, misérias não resolvidas, esperanças frustradas e causas perdidas, conseguiu se manter num nível de civilização que permitiu que todos, indistintamente, se sentissem igualmente brasileiros. O Maracanã lotado, bandeiras desfraldadas e cantos nas arquibancadas celebrava ou lamentava um país que se ia? Terá passado pela cabeça dos torcedores presentes no Maracanã que o próximo Palmeiras x Flamengo deverá se dar em outro Brasil, ainda desconhecido, cujos contornos são incertos, tanto para os vencidos nas eleições quanto para os vencedores? 

Como times cujas escalações não sabemos, senão através de notícias incompletas e boatos espalhados pelas esquinas, o que parece vir aí é uma incógnita, trafegando entre o pesadelo e a tempestade, entre a esperança de uma surpresa inesperada e um chamado à realidade que leva ao desespero. No nebuloso submundo das redes sociais, damos com multidões de informações que não são nem exatas nem críveis, urdidas sabe Deus onde. Vieram não para espalhar conhecimento, mas o terror. 

Tenho visto muito desespero ao meu redor e o futebol pode ensinar alguma coisa a respeito. Que faz o torcedor numa época de crise quando há incerteza atrás de incerteza? Mune-se de todas as suas forças, não desiste jamais e, sobretudo, não se assusta. As vitórias acabam voltando. Mesmo diante de tragédias, catástrofes ou hecatombes.

O futebol vem da arte, que tanto nos ensina. É só lembrar que 18 dias – dezoito dias! – depois de assinada a rendição incondicional da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, com Berlim em escombros fumegantes e cadáveres sendo retirados das ruínas, a Orquestra Filarmônica de Berlim, reuniu seus 30 músicos sobreviventes e deu o primeiro concerto público do a pós guerra. A arte é a primeira a ressurgir.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.