Daniel Teixeira
Daniel Teixeira

Vencer o Paulistão é bom negócio

Federação Paulista aumenta premiação do campeão e cotas dos participantes

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

30 Janeiro 2016 | 07h00

Quase sempre restrito ao papel de extensão da pré-temporada ou laboratório para a Libertadores, o Campeonato Paulista ganha novo status em 2016. O torneio será mais atraente do ponto de vista financeiro. A Federação Paulista aumentou as premiações e as cotas dos participantes. Na ponta do lápis, ganhar o maior torneio estadual do País é também um bom negócio.

Em 2015, o Paulistão pagou R$ 6,4 milhões em premiações. Em 2016, o total de prêmios será de R$ 9,8 milhões, um aumento de 53,1%. Essa diferença fica clara no bônus ao campeão. Aquele que levantar a taça receberá R$ 4 milhões, um aumento de R$ 1 milhão em relação ao que foi pago ao Santos, vencedor de 2015.

O ponto mais importante, no entanto, é a nova distribuição de verbas para os clubes. Nas edições anteriores, os times eram divididos em dois blocos: os quatro grandes, que recebiam fatia maior do bolo, porque são a própria cereja, e o restante, grupo de 16 times que recebia a mesma cota.

A partir deste ano, existem quatro grupos diferentes. Cada um leva em consideração as particularidades das equipes, sua posição no Paulista anterior e também no Campeonato Brasileiro. Para cada conquista há um bônus. É o embrião de um ranking paulista. E o mais importante, na opinião dos clubes: a federação aumentou as cotas em todos eles. De acordo com os dirigentes, isso foi possível graças às cotas de patrocínio e aos direitos de transmissão.

Os gigantes do futebol paulista – Corinthians, Santos, Palmeiras e São Paulo – permanecem ganhando mais. As cotas, para cada um, subiram de R$ 13 milhões do ano passado para R$ 17 milhões. Em seguida, a Ponte Preta forma o segundo grupo com uma cota de R$ 5 milhões – antes, o time de Campinas recebia R$ 2,7 milhões. Engordaram a conta o fato de o time estar na Série A-1 desde 2000.

O terceiro grupo é formado por 15 clubes, aqueles que disputaram o torneio da elite no ano passado. Cada um ganha R$ 2,7 milhões. Por fim, os caçulas, que vão receber R$ 2 milhões. Cada um pode aumentar sua premiação com seu próprio desempenho. Quem joga a Série A vai ganhar R$ 500 mil; já a Série D oferece bônus de R$ 150 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.