Wilton Junior/Estadão - 28/07/2014
Wilton Junior/Estadão - 28/07/2014

'Vencido pela desunião', presidente Ilídio Lico renuncia à Lusa

Jorge Manuel Marques Gonçalves, vice de finanças, assumirá clube

O Estado de S. Paulo

20 Março 2015 | 20h45

O presidente Ilídio Lico renunciou ao cargo de presidente da Portuguesa. O mandatário deixa o cargo após um ano e dois meses de mandato, período marcado pelo rebaixamento inédito para a Série C do Campeonato Brasileiro e uma grave crise financeira com o atraso no pagamento de salários de funcionários e jogadores que culminaram em um processo de impeachment. Antes que o processo fosse concluído, Ilídio preferiu deixar o cargo. "Fui vencido pela desunião do nosso clube", escreveu o dirigente em uma carta-renúncia endereço ao Conselho Deliberativo. 

De acordo com o estatuto do clube, quem assume o cargo é o vice-presidente de finanças, Jorge Manuel Marques Gonçalves, que retornou de uma licença médica. 

Em uma reunião tumultuada no dia 5 de março, o Conselho Deliberativo lusitano protocolou um pedido de impeachment do presidente, visto por muitos como o grande responsável pela crise financeira que assola o clube. O encontro, porém, teve a votação cancelada devido a uma confusão. Ilídio conseguiu uma "sobrevida" política, mas anunciou aos amigos mais próximos que renunciaria nesta sexta-feira. 


"Como presidente da nossa Portuguesa, ao invés de união, encontrei resistência e oposições que ao invés de lutar pela reconstrução de nossa querida Lusa, voltaram todas as suas forças para combater minha gestão, inviabilizando os projetos de minha diretoria, acabando com minhas forças, comprometendo minha saúde e prejudicando o nosso futuro", diz outro trecho da carta de Ilídio. 

Na tarde desta sexta-feira, o dirigente se reuniu com o presidente do Conselho Deliberativo, Marco Antônio Teixeira Duarte,  e com Julio Diniz, em que já entregou a carta de renúncia. Os outros vices também entregaram os seus cargos. 

Mais conteúdo sobre:
Futebol Portuguesa impeachment renúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.