Venda do Chelsea cria polêmica

A aquisição do controle acionário (50,09% das ações) do clube inglês Chelsea pelo empresário russo Roman Abramovich por US$ 98,124 milhões criou polêmica na Rússia e na Inglaterra. O magnata possui empresas petrolíferas, de alumínio e aviação, é governador da região de Chukotka, na Sibéria, e amigo pessoal do primeiro-ministro russo Vladimir Putin. Além disso, Abramovich é proprietário de uma bem-sucedida equipe de hóquei no gelo, Avangard, de Omsk, na Sibéria. ?Não posso dizer que fiquei contente com esta notícia?, disse o presidente da Federação Russa de Futebol, Vyachelsav Koloskov, sobre a aquisição pelo empresário do controle acionário do Chelsea, que na próxima temporada européia disputará a Liga dos Campeões e os principais torneios ingleses. Para ele, seria melhor que Abramovich investisse dinheiro russo em esporte russo. Na Inglaterra, a desconfiança é grande, como diz um famoso jurista local, Tony Banks. Ele lembrou que o Chelsea, apesar de ser o sexto clube mais rico do mundo, está passando por dificuldades financeiras e seria prudente saber se Abramovich teria condições de quitar as dívidas existentes, como combinado no acordo feito com o presidente do Conselho de Diretores, Ken Bates, na ocasião da venda das ações ao magnata.

Agencia Estado,

02 de julho de 2003 | 17h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.