Felipe Raui/Estadão
Felipe Raui/Estadão

Vendas do São Paulo na janela pagariam seis meses de salários

Clube tem receita bruta de R$ 50 milhões e minimiza crise financeira

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

08 Agosto 2015 | 07h00

A receita bruta do São Paulo com as vendas de cinco jogadores nesta janela de transferências ajudaria a bancar seis meses da folha salarial do elenco atual. A última negociação foi concretizada na noite de quinta-feira e a saída de Boschilia, que deve render R$ 24,3 milhões, faz o clube ter recebido R$ 50,4 milhões nos dois últimos meses.

Como o gasto mensal para manter os 30 jogadores do elenco profissional é de R$ 7,3 milhões, o valor bruto pelas cinco vendas conseguiria custear a folha por um semestre. Antes da saída de Boschilia para o Mônaco a diretoria negociou os volantes Souza (Fenerbahçe) e Denilson (Al Wahda), o zagueiro Paulo Miranda (Red Bull Salzburg) e o atacante Jonathan Cafu (Ludogorets Razgrad). O zagueiro Dória também deixou o clube, mas  devido ao término do contrato de empréstimo.

"A diretoria não me falou que podemos ter mais saídas. Depois de dois meses no Brasil, acho que essa é realidade. Espero que não vamos perder mais jogadores", comentou o técnico Juan Carlos Osorio ensta sexta-feira. O clube também recebeu propostas por Ganso, Luis Fabiano e Rafael Toloi. Todas foram recusadas.

A diretoria negociou vários jogadores para tentar solucionar a crise financeira. O São Paulo tem uma dívida total de R$ 273 milhões e mensalmente paga R$ 8 milhões aos bancos somente com juros bancários e amortização. O presidente Carlos Miguel Aidar pretende montar um fundo de investimento para ajudar a diminuir a dívida e a diretoria tem passado dificuldades para manter em dia os vencimentos com o elenco.

Os jogadores chegaram a ficar três meses sem receber os direitos de imagem neste ano e o atraso ainda motivou Alexandre Pato a acionar a Justiça. O atacante também citou na ação o Corinthians. O clube do Morumbi devia R$ 300 mil ao atleta e pagou o valor com cheque de terceiros.

Apesar do dinheiro com as vendas, parte do lucro foi bloqueado pela Justiça para pagar dívidas. A quantia de R$ 3,1 milhões que o clube receberia pelas negociações de Paulo Miranda e Denilson teve que ser depositado em juízo para o pagamento de uma pendência que durava desde 2002 pela falta de acerto de uma comissão paga ao empresário do lateral Jorginho Paulista.

A venda de Boschilia deve render a maior quantia ao São Paulo nesta janela: R$ 24,3 milhões. A segunda negociação mais rentável foi a do volante Souza (R$ R$ 9,7 milhões). Por Paulo Miranda, o clube recebeu R$ 4,5 milhões e por Denilson, R$ 4,2 milhões. Já Jonathan Cafu, rendeu R$ 1,2 milhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.