Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão
Imagem Antero Greco
Colunista
Antero Greco
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Verde em alta

Palmeiras é o mais embalado dos semifinalistas da Copa do Brasil. Bom para a autoestima

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2018 | 04h00

Na crônica de domingo, havia aqui a ressalva – ou alerta – para o Palmeiras no duelo com o Corinthians, pelo Brasileiro. Embora o time de Felipão estivesse em melhor fase, observava que não deveria abstrair do significado do clássico com o tradicional rival. O perigo de surpresa existia, como é comum na história de 100 anos do Dérbi. A turma verde seguiu o roteiro da cautela e se deu bem, com vitória por 1 a 0 e proximidade dos líderes Inter e São Paulo. Ou seja, está na briga pelo principal título nacional.

Esse Palmeiras embalado chega nesta quarta-feira à semifinal da Copa do Brasil, um dos objetivos ousados da temporada (o Paulista bateu na trave, com a derrota na finalíssima, para o Corinthians, e em casa). Em comparação com os outros concorrentes, está em alta. O que, em princípio, não significa grande coisa, mas serve para afagar a autoestima.

Felipão conseguiu, em breve tempo, a proeza de utilizar com eficiência a maior parte do elenco. Tanto que se diz que tem um time A e um time B, de acordo com a característica e etapa da competição a disputar. Verdade, em parte. Com o rodízio constante, fica até difícil determinar qual é, de fato, a equipe titular – e isto significa elogio. Manter a tropa motivada e serena tem sido o mérito do veterano treinador. Não é por acaso que mira o Brasileiro, a Copa e avançou na Libertadores.

Os outros participantes, especialistas em Copa do Brasil, oscilam em algum torneio. O Cruzeiro, também em três frentes, praticamente abriu mão da Série A. Com 33 pontos (16 a menos do que Inter e São Paulo), está em 7.º. O Flamengo saiu da Libertadores e patina no Brasileiro, com 44 pontos (antes do Mundial, chegou a abrir vantagem razoável na ponta). O Corinthians foi eliminado na corrida sul-americana e já jogou a toalha na revalidação do título brasileiro conquistado com louvor em 2017: com 30 pontos, está apenas no meio da tabela e não entusiasma. 

O Palmeiras tem o Cruzeiro atravessado na garganta, em situação semelhante àquela que ocorreu nos anos 90. Ambos decidiram em 1996, com vantagem dos mineiros. Dois anos depois, veio o troco palestrino, no Morumbi. No ano passado, o Cruzeiro eliminou o Palmeiras, com empates por 3 a 3 e 1 a 1. Agora, a tentativa de revide. Na ocasião, Cuca dirigia o Palmeiras, após rápida passagem de Eduardo Baptista. No Cruzeiro, mais estruturado, Mano Menezes era o chefe e chegou à taça.

O Palmeiras de Felipão não tem sido goleador – a média gira em torno de 1,5 gol por jogo. Em contrapartida, o sistema defensivo se tornou seguro: foram dois gols sofridos nas últimas 11 apresentações. Consequência da melhor proteção oferecida pelo meio-campo e também pelo crescimento de desempenho da zaga. Seja com Marcos Rocha, Luan, Gomez e Victor Luiz ou com Mayke, Antônio Carlos, Dracena e Diogo Barbosa, pouco perigo tem rondado a meta de Weverton, o titular do gol. 

Felipe Melo, quando se preocupa só em jogar, faz dobradinha confiável com Bruno Henrique, com Moisés, Lucas Lima e Willian no reforço. Dudu acalmou-se e melhorou. Borja e Deyverson disputam preferência do técnico no comando do ataque. Não se trata de um time formidável; porém, consistente e que faz o torcedor sonhar com conquistas. 

Mais contido anda o corintiano. A série de desmanches no elenco finalmente deu o ar da desgraça – e esta veio na forma de desclassificação na Libertadores e afastamento precoce da briga pelo oitavo Brasileiro. Sem contar a indefinição na comissão técnica. O recém-chegado Jair Ventura não tem muito o que mexer, num grupo reduzido, e provavelmente a estratégia hoje contra o Fla será semelhante à de domingo: fechar-se, para evitar estrago irreparável na volta. Empate ou derrota mínima serão comemorados. Vitória será outro milagre de São Jorge. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.