Lucas Figueiredo/CBF
Lucas Figueiredo/CBF

'Veterano' da seleção, Willian vibra por enfim poder disputar final

Atacante do Chelsea supera frustrações de Copas América e Copas do Mundo anteriores

Almir Leite e Ciro Campos, enviados especiais a Belo Horizonte, O Estado de S. Paulo

03 de julho de 2019 | 04h30

A vaga confirmada na final da Copa América após a vitória sobre a Argentina, nesta terça-feira, no Mineirão, deixou o atacante Willian com uma realização extra na carreira. O jogador de 30 anos é um dos mais experientes da atual seleção brasileira, porém só agora, 12 anos depois da primeira convocação, ele terá a chance de estar em uma final junto com a equipe.

No próximo domingo, no Maracanã, o jogador terá a oportunidade de encerrar a longa espera. "Eu vinha persistindo bastante, batalhando muito, mesmo sendo eliminados nas últimas competições. Mesmo com os resultados negativos no passado, esse grupo lutou e está na final. Quem sabe no domingo a gente não pode conquistar esse título", afirmou. Willian herdou a camisa 10 nesta Copa América depois do corte de Neymar.

O atacante do Chelsea é presença constante nas convocações da seleção brasileira nos últimos anos, porém nunca foi campeão pela equipe. O jogador participou de campanhas nas duas últimas Copas do Mundo e nas duas últimas Copas Américas. O melhor resultado havia sido o quarto lugar no Mundial de 2014, campanha marcada pela derrota para a Alemanha por 7 a 1, na qual ele entrou em campo no segundo tempo.

Contra a Argentina, Willian entrou no intervalo na vaga de Everton e terminou o jogo com problemas musculares, mas muito realizado. O atacante disse que a melhor forma de confirmar presença na decisão seria justamente batendo a Argentina. "Um clássico como esse é muito bom. O objetivo principal é ser campeão, mas quando se ganha um jogo com o de hoje, a confiança aumenta mais para que na final a gente faça um grande jogo", disse.

Apesar de ter entrado na seleção brasileira após o corte de Neymar, Willian tem sido muito utilizado nesta Copa América. O atacante até mesmo marcou um gol na competição, diante do Peru, ainda pela fase de grupos. O jogador ainda bateu um pênalti nas quartas de final contra o Paraguai, em Porto Alegre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.