Viagem do Guarani vira aventura

A idéia da diretoria do Guarani era economizar e dar exemplo de austeridade, mas a viagem da delegação para o Rio de Janeiro, no fim de semana, acabou se transformando numa verdadeira aventura. Além do forte calor, os jogadores enfrentaram o pouco espaço no ônibus, tiveram indisposição estomacal e até escaparam de um tiroteio rumo ao estádio "Edson Passos", no subúrbio de Nova Iguaçu. Apesar dos transtornos, o time venceu o lanterna América, por 4 a 2, pelo Torneio Rio-São Paulo.No caminho quem mais sofreu foram os grandalhões, como o goleiro César (1,92 m) e o centroavante Zé Afonso (1,90 m). Por mais que eles se ajeitassem nas poltronas, nunca conseguiam uma posição ideal para o descanso. A delegação saiu de Campinas sábado pela manhã, almoçou no Rio e à tarde ainda fez um treinamento. Zé Afonso não aprovou. "Acho que isso cansou o nosso time", avaliou após o jogo. Mas outros jogadores tiverem enjôos e o ala Jadílson até vomitou por causa dos efeitos provocados na região serrana. O inesperado aconteceu quando a delegação seguia em direção ao estádio e se deparou com um tiroteio. Todos se abaixaram para evitar uma bala perdida. "Na hora foi desesperador", revelou um dirigente. Tudo para economizar algo em torno de R$ 2 mil. A viagem com ônibus leito custou R$ 1.500, enquanto a delegação gastaria perto de R$ 3.500 para seguir de avião de Campinas até o Rio de Janeiro. Na verdade, o time teria que ir de ônibus até São Paulo para pegar a Ponte-Aérea, fretando um ônibus para transitar na cidade entre sábado e domingo. A opção, então, foi mesmo já ir de ônibus. Com dois meses de salários atrasados, o clube não mede esforços para economizar e cumprir seus compromissos. Tanto que promete para esta terça-feira o pagamento dos meses de dezembro e janeiro. O técnico Zé Mário não perdeu a inabalável tranqüilidade. Satisfeito com a vitória e com o rendimento do time, nem deu atenção às críticas de alguns jogadores. Até ironizou. "Tem gente acostumada a andar de jegue, que se andar de ônibus vira luxo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.