Paulo Matheus/Fortaleza EC
Paulo Matheus/Fortaleza EC

Vice-campeão estadual, Ceni lamenta 'má sorte' do Fortaleza: 'Merecíamos mais'

Time comandado pelo ex-goleiro foi derrotado por 2 a 1 neste domingo para o Ceará, que levou o troféu

Matheus Lara, Enviado especial a Fortaleza

08 de abril de 2018 | 21h51

O técnico do Fortaleza, Rogério Ceni, disse que o time jogou melhor, mas que a falta de sorte impediu o título cearense. A equipe foi novamente derrotada por 2 a 1 para o Ceará no Castelão e ficou com o 2º lugar.

Em disputa equilibrada, Ceará vence Fortaleza de Ceni e é campeão estadual

"O Ceará foi superior no jogo de quarta (ida). Mas hoje nós mandamos no jogo", analisou o treinador após a partida. "Fizemos tudo que era possível para sairmos vitoriosos, mas detalhes mudam a história. Não tivemos a mesma sorte que eles. Nosso pênalti bateu na trave e saiu, a falta deles bateu na barreira e caiu no pé do melhor chutador. Pressionamos, sufocamos, mas o Ceará se fechou."

Apesar de ver o time injustiçado pelo placar, o treinador diz ver o Fortaleza pronto para os próximos desafios. "Merecíamos mais hoje pelo que fizemos. Mas agora vejo que temos um time qualificado, muito melhor do que no início do Estadual."

O treinador já pensa na disputa da Série B do Brasileirão, em que o Fortaleza estreia contra o Guarani na próxima sexta, no Castelão. "É o momento de pensarmos na nossa estrutura, de sonharmos com subir para a Série A. Temos que ganhar lastro para não voltar mais para a Série C e talvez até subir e ficar na série A, assim como penso que o Ceará tem condições de fazer."

Rogério ainda comentou a chance perdida de ter conquistado seu primeiro título na carreira de treinador. "Ainda quero muito ganhar um título fora do São Paulo, onde tive uma carreira vitoriosa como jogador", disse Ceni após o jogo. "Hoje levo o Fortaleza como o meu time. E faço o meu melhor aqui. Visto esta camisa de fato e sofro muito com a não conquista desse título."

Ao encerrar o Estadual sem vencer seu principal rival - foram três derrotas e um empate com o Ceará -, Ceni exaltou a rivalidade entre as equipes. "É como um Gre-Nal, um Majestoso... Sabemos como é. Castelão, dia de final, 40 mil torcedores. É como qualquer rivalidade do país. O torcedor é apaixonado e sempre comparece e nos empurra."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.