Alexandre Vidal/Flamengo
Alexandre Vidal/Flamengo

Vice do Flamengo critica protesto de torcida e despista sobre Filipe Luís

Marcos Braz promete tomar providências após elenco ser alvo de manifestação na saída do Rio de Janeiro

Redação, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2019 | 13h18

Pouco depois de o elenco do Flamengo usar a estrutura do Corinthians, CT Joaquim Grava, para fazer na manhã desta segunda-feira o seu último treino antes de viajar ao Equador, onde na quarta-feira o time enfrenta o Emelec pelo confronto de ida das oitavas de final da Copa Libertadores, o vice-presidente de futebol rubro-negro, Marcos Braz, concedeu entrevista coletiva e abordou vários assuntos. Um deles foi o forte protesto de torcedores do clube no embarque no aeroporto do Galeão, no Rio, no sábado, quando a equipe embarcou rumo a São Paulo para enfrentar a equipe corintiana.

Naquela ocasião, o meia Diego foi o principal alvo da fúria de alguns torcedores, chegou a entrar a conflito com alguns deles e precisou ser contido por segurança no saguão de embarque após ser xingado e cobrado. O atleta foi vítima do protesto depois de ter desperdiçado um dos pênaltis da disputa que eliminou a equipe flamenguista da Copa do Brasil, na última quarta-feira, no Maracanã, contra o Athletico-PR. 

Ao comentar o episódio, Marcos Braz garantiu que o clube carioca já está agindo para se precaver contra protestos como o do último sábado. E isso envolve, por exemplo, um reforço da segurança dos jogadores. "O Flamengo já está tomando providência, mas vai fazer isso do tamanho do que foi o acontecido no aeroporto. A torcida tem todo o direito de protestar, tem toda nossa razão em relação a isso. A única coisa que a gente vai analisar é se teve protesto ou intimidação", ressaltou o dirigente, para depois destacar que a manifestação da torcida poderia ter ocorrido de forma diferente.

"Poderia ter gente ali protestando de maneira pacífica. Então tem de chegar com muita calma e tranquilidade, tirar o grande torcedor de outros que talvez possam partir para outro caminho. É com muita tranquilidade que vamos resolver isso. Tenho uma história grande no clube, estou nele desde os oito anos de idade e conheço bem os caminhos para serem resolvidos", reforçou Braz.

Já ao ser questionado se o protesto teve influência no desempenho da equipe que empatou por 1 a 1 com o Corinthians, no último domingo, em São Paulo, pelo Brasileirão, o vice do Flamengo respondeu: "Não tem nenhuma correlação mais. Acho que o time jogou bem contra o Corinthians, uma partida duríssima. Fazer qualquer correlação com um mal resultado para frente é desculpa. Já conversei com os jogadores, com o Diego, e ficou muito bem resolvido internamente".

FILIPE LUÍS

O dirigente também não escapou de comentar sobre a negociação para a contratação do lateral-esquerdo Filipe Luís, que no último domingo se despediu do Atlético de Madrid e está próximo de ser confirmado como novo reforço rubro-negro. Braz havia dito na última sexta-feira que as negociações para contratar o jogador haviam avançado, mas ele despistou ao abordar o assunto.

"Filipe Luís é uma análise de mudança de vida, não de clube. Agora que saímos da Copa do Brasil, podemos colocar na Libertadores e no Brasileiro. Negociação se faz de maneira interna. Ele tinha contrato com o Atlético, que se encerrou. Ele fez uma despedida lá, é algo natural depois da história que ele teve. O Juan também fez despedida aqui. A gente está tratando com naturalidade (a negociação), tranquilidade. Se o jogador vier acho que vai ser uma contratação bem acima da média", disse Braz, lembrando também que o jogador, se contratado, poderá defender a equipe nos dois principais torneios disputados pela equipe na continuidade da temporada.

"Agora que a gente foi desclassificado da Copa do Brasil, poderemos colocar ele na Libertadores e Brasileiro, na sequência das duas competições. Só a Copa do Brasil que tinha um prazo mais firme de que não poderia usar", reforçou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.