Lucas Merçon/FFC
Lucas Merçon/FFC

Vice do Fluminense, Celso Barros desafia presidente do clube após ser excluído de viagem

Dirigente afirma que não precisa de autorização de ninguém para acompanhar o time carioca na partida contra o São Paulo

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2019 | 13h18

A crise política no Fluminense, provocada pelo rompimento entre o presidente Mario Bittencourt e o vice Celso Barros, ganhou novos contornos nesta quarta-feira. Na véspera do duelo com o São Paulo, quinta-feira, no Morumbi, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro, o vice divulgou texto nas redes sociais declarando que não precisa de "autorização de ninguém" para acompanhar o time em seus compromissos como visitante.

A declaração de Celso é uma resposta a uma determinação de Mario Bittencourt, que decidiu pela exclusão do seu vice das viagens da delegação do Fluminense para os dois próximos compromissos da equipe fora de casa no Brasileirão, diante de São Paulo e Internacional, em duelo que está agendado para o próximo domingo, no Beira-Rio.

"Na qualidade de Vice-presidente Geral eleito e também Coordenador de Futebol do Fluminense Football Club - em estrita observância ao que fora aprovado pelo Conselho Deliberativo - esclareço que não preciso de autorização de ninguém para acompanhar a delegação e apoiar os nossos atletas e comissão técnica independentemente do local da partida", escreveu Celso Barros, em texto divulgado no seu perfil no Instagram, acompanhado por uma foto antiga ao lado de Mario Bittencourt.

Na última segunda-feira, Celso Barros divulgou um texto em que deixava clara a sua insatisfação com o trabalho de Fernando Diniz à frente do Fluminense - depois, ele foi sucedido por Oswaldo de Oliveira e Marcão -, treinador, hoje, do São Paulo, exatamente o próximo oponente do clube carioca no Brasileirão. Posteriormente, em entrevista defendeu a saída de Marcão do comando da equipe.

Buscando blindar o elenco e Marcão, Bittencourt decidiu excluir Celso Barros das próximas viagens do Fluminense, expondo o conflito entre eles, que foram eleitos na mesma chapa para comandarem o clube em eleição realizada há cinco meses.

Apesar do desgaste, Celso Barros prometeu que não vai abandonar a rotina no Fluminense, ainda mais no atual momento delicado, de briga para deixar a zona de rebaixamento do Brasileirão. "Aliás, reafirmo que em um momento delicado como este que estamos enfrentando é imperioso que haja união de todos em prol do clube. Respeito a hierarquia e cumpro as determinações estatutárias, contudo, tenho uma história de sucesso com o clube e jamais me acovardarei e abandonarei o grupo! Saudações tricolores", acrescentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.