Ivan Storti/Santos
Ivan Storti/Santos

Vice-líder do returno, Santos projeta '8 decisões' em reta final do Brasileirão

Depois de flertar com a zona de rebaixamento, alvinegro se recupera e sonha com vaga na Libertadores

Estadão Conteúdo

23 Outubro 2018 | 10h50

Dono da segunda melhor campanha do returno do Campeonato Brasileiro, com 22 pontos somados nesta segunda metade da competição, o Santos voltou a mostrar a sua força ao empatar por 2 a 2 com o Internacional, na noite desta segunda-feira, no Beira-Rio, em Porto Alegre, onde a 30ª rodada do torneio nacional foi fechada.

Com 43 pontos, a equipe paulista ocupa o sétimo lugar da tabela e está apenas três atrás do Atlético-MG, que hoje fecha a zona de classificação à Libertadores, em sexto lugar. Assim, o time santista lutará para conquistar vaga na competição continental nos oito duelos derradeiros de sua campanha, que o técnico Cuca qualificou como "oito decisões" na entrevista coletiva que deu após o duelo no Sul.

"Faltam oito jogos, é uma luta a cada dia, batalha como hoje, será assim contra o Fluminense, Palmeiras e até o final. Temos que nos preparar para oito decisões. Tenho que enaltecer esse time, era 17º com os mesmos jogadores e estão em segundo lugar no returno, perdendo só para o Palmeiras, que faz campanha magnífica", ressaltou o treinador, ao se referir ao atual líder do Brasileirão, que só nesta segunda metade do campeonato já somou 29 pontos dos 62 que ostenta atualmente.

O comandante também disse ter ficado feliz com o empate conquistado em Porto Alegre. "A gente sai satisfeito do campo. Foi um jogão para quem viu pela TV ou para quem ouviu pelo rádio, que dá ainda mais emoção para quem está ouvindo. Foi um jogo que ninguém queria empatar, queria vencer. Eu até o minuto 45 (do segundo tempo) queria ganhar. Depois, lógico, tem de valorizar o ponto", afirmou Cuca.

O técnico ainda negou que a polêmica anulação do gol de Leandro Damião pelo juiz Ricardo Marques Ribeiro após longa conversa com os outros representantes da arbitragem tenha influenciado no resultado final do confronto. No lance, ocorrido aos 9 minutos do segundo tempo, Víctor Cuesta dividiu com Carlos Sánchez e a bola sobrou para Damião, que aproveitou para marcar. Com dúvidas sobre quem tocou por último na bola (Cuesta ou Sánchez), o sexteto de arbitragem demorou mais de seis minutos para tomar uma decisão final, confirmando a anulação do gol ao concluir que foi a bola bateu por último no jogador do Inter, configurando o impedimento do atacante.

Cuca reconheceu que a falta do uso do VAR (árbitro de vídeo), cuja utilização não foi aprovada para este Brasileirão, pesou para a grande dúvida dos árbitros. "Desestabilizou todo mundo (esta polêmica). Faz parte do jogo, mas não foi esse lance que definiu o jogo. Foi um placar justo e uma grande partida", analisou Cuca, que agora vai preparar o Santos para encarar o Fluminense, sábado, às 16h30, na Vila Belmiro, na abertura da 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois disso, o time santista terá pela frente em sua reta final de campanha, pela ordem, o Palmeiras (fora), a Chapecoense (em casa), o Flamengo (fora), o América-MG (fora), o Botafogo (em casa), o Atlético-MG (em casa) e o Sport (fora).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.