Vice-líder e rival do Brasil, Equador enfrenta muitos problemas

Atrás pelo saldo de gols, equatorianos seguem invictos em casa

Almir Leite, enviado especial a Quito, Estadão Conteúdo

29 Agosto 2016 | 06h55

A seleção do Equador está invicta em casa nessas Eliminatórias. Com 13 pontos em seis partidas, só não lidera a competição classificatória à Copa da Rússia porque seus cinco gols de saldo são inferiores aos oito do Uruguai. Ainda assim, convive com um clima de incerteza e até de alguma tensão para o jogo contra o Brasil. É que problemas não faltam para o técnico Gustavo Quinteros. São contusões, suspensão e até um caso de doping, que estourou na semana passada.

Quinta-feira, ele não poderá contar com dois jogadores bem conhecidos dos brasileiros: Frickson Erazo e Cazares, que coincidentemente jogam no Atlético-MG. Ambos estão machucados. O zagueiro está fora por causa de uma grave contusão no joelho direito. O meia recupera-se de um problema muscular na coxa direita.

E um dos jogadores mais importantes do time, o meia Antonio Valencia, que atua no Manchester United desde 2009, não enfrentará o Brasil por estar suspenso. Outra suspensão mexeu com o elenco: o atacante Jose Angulo foi flagrado em teste antidoping. O exame detectou consumo de cocaína.

Angulo foi um dos destaques no Independiente Del Valle na última Libertadores - o time foi vice-campeão, sendo superado pelo Atlético Nacional na decisão. Antes da última partida da competição, disputada na Colômbia, foi submetido a um exame antidoping surpresa, que acusou o uso da droga. Ele está suspenso preventivamente.

Diante de tantos problemas, Quinteros, ainda antes de saber da suspensão de Angulo, já havia tomado uma decisão pouco comum: convocou 31 jogadores para os jogos contra Brasil e Peru, nesta rodada dupla das Eliminatórias para a Copa.

Depois que soltou a lista, além de Angulo, ele perdeu outro jogador por contusão: Angel Mena, que machucou o tornozelo em jogo do Emelec pelo Equatoriano. Por isso, neste domingo convocou o atacante Jaime Ayovi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.