Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Vice pede licença e deixa presidente do Corinthians ainda mais isolado

Jorge Kalil alega divergências administrativas e problemas particulares para se afastar

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2016 | 18h51

A situação do presidente do Corinthians, Roberto de Andrade, parece cada dia mais complicada. O vice-presidente do clube Jorge Kalil pediu 60 dias de afastamento do clube em decorrência de problemas familiares e divergências sob a forma com que o mandatário tem administrado o clube.

O dirigente, inclusive, é um dos cotados para disputar a presidência do clube, no fim do ano que vem. Seu afastamento deixa ainda mais claro o quanto Roberto de Andrade está isolado no comando do clube. Único vice-presidente que permanece no cargo é André Luiz de Oliveira, o André Negão, que também não tem bom relacionamento com o presidente.

André Negão chegou a estudar a possibilidade de se afastar do cargo também, mas foi convencido a permanecer, pois o processo de impeachment do presidente continua correndo e caso ele saia, é André quem assume o cargo.

Roberto de Andrade deve até sexta-feira apresentar sua defesa no Comitê de Ética e Disciplina do clube a respeito de sua saída do clube. A ideia do dirigente é provar que ele não cometeu nenhum ato ilegal ou que pudesse causar algum dano para o clube.

O presidente é acusado de ter assinado dois documentos como presidente antes de assumir o cargo. O primeiro, ele teria rubricado uma lista de presença de assembleia geral ocorrida dois dias antes da eleição. Outro documento divulgado recentemente mostra que o nome dele aparece em um contrato do estacionamento do Itaquerão, 27 dias antes dele vencer a eleição.

Nos últimos meses, o Corinthians perdeu diversos diretores, entre eles, Eduardo Ferreira, que era o homem forte do futebol, mas pediu demissão por não ter sido consultado sobre a contratação do técnico Oswaldo de Oliveira. 

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.