Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Vice-presidente do São Paulo detona Leco: 'Não terá paz comigo se continuar amador'

Roberto Natel critica gestão do qual faz parte; situação afirma que ele não comparece no clube

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

19 de março de 2019 | 15h56

A culpa da crise do São Paulo é, em grande parte, do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco. A afirmação foi feita pelo próprio vice-presidente Roberto Natel em entrevista ao BandSports na tarde desta terça-feira. Embora participe da atual gestão, o dirigente afirmou que se sente isolado e que vai fazer oposição ao mandatário.

"Desde o primeiro dia eu venho desagradando o Leco, tanto que ele tirou a minha sala. Isso não quer dizer que eu vou ficar quieto. A batalha é grande porque eu tenho minoria. Sei que hoje o torcedor está do meu lado. Não do Roberto Natel, mas da mudança", afirmou o vice-presidente.

"Vou fazer de tudo para mudar a forma de pensar, de conduzir. Não fujo da responsabilidade e tenho certeza que o Leco não terá paz comigo se continuar como amador. Ele tem de botar na cabeça que é presidente e tem de se comportar assim, não como garoto mimado", afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de impeachment do atual presidente, Natel recuou e afirmou que não tem maioria no conselho. "Não há possibilidade, porque tem que ter 75% do conselho presente votando a favor e não tem isso no São Paulo. Não tem essa possibilidade. O importante é fazer como que ele ouça a nação. E não fazer as coisas da cabeça dele, como tem feito", reclamou.

O vice-presidente também afirmou que Leco não vem cumprindo o estatuto do clube. "Em vez do profissionalismo, ele resolveu colocar conselheiros remunerados. Tudo o que foi colocado pelo novo estatuto ele não vem fazendo. Eu sou vice, que substitui na hora que precisar, mas ele jamais me chamou para uma reunião de diretoria, para representar o São Paulo em nenhum evento da CBF, da FPF. Ele foi a um evento no Rio de Janeiro e na hora da votação (sobre o uso do VAR) ele foi embora. Se ele não podia ficar, por quê não me enviou? questionou Natel.

Outro lado

Diante das críticas de Natel, dirigentes ligados ao presidente questionaram a reclamação sobre o uso da sala. Segundo eles, a sala foi apenas movida para outro lado do corredor, mas ela não é utilizada com frequência, pois Natal comparece pouco ao clube. Os dirigentes também afirmam que a entrevista não significa um rompimento, pois Roberto Natel já está isolado há um ano aproximadamente. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.