Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

Vida pós-Militão: as opções do São Paulo para jogar sem o garoto

Lateral fará neste domingo, contra o Vasco, sua última partida pelo clube antes de embarcar rumo a Portugal

Renan Cacioli, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2018 | 05h00

O São Paulo começa a se preparar para seguir na temporada sem um dos jogadores mais assíduos do time. Neste domingo, o lateral-direito Éder Militão, de 20 anos, fará, contra o Vasco, sua última partida com a camisa tricolor. Ele foi vendido ao Porto-POR. Ao técnico Diego Aguirre, restarão duas opções: apostar em quem chegou para suprir a ausência do lateral ou improvisar.

+ Técnico do Sport diz que Everton Felipe quer jogar no São Paulo

+ Liberado pelo DM, Jucilei fica à disposição do São Paulo para domingo

+ Confira tabela e classificação do Campeonato Brasileiro

Obviamente, a primeira alternativa será escalar Bruno Peres, contratado em julho junto a Roma-ITA e que já disputou algumas partidas desde a chegada. Lateral de origem, ele é o plano A do treinador uruguaio a partir do domingo que vem, quando a equipe visitará o Sport, no Recife, pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Há, no entanto, possibilidades de lesão ou suspensão no decorrer do ano – ou, no pior dos casos, de Bruno Peres viver má fase e não render o esperado em campo. É aí que pintaria a opção da improvisação. O volante Araruna já exerceu a função algumas vezes no time e tende a ser o escolhido sempre que Aguirre precisar repor a ausência do titular. Liziero, outro volante, também poderia atuar por ali. Em último caso, até mesmo Edimar poderia ser trocado de lado e vir da esquerda para tapar o buraco na direita.

Nenhuma dessas situações, a princípio, resolveriam a questão. Fato é que Militão, zagueiro e volante na base e no início de sua trajetória entre os profissionais, no ano passado, acabou se firmando de tal forma na lateral direita que não perdeu mais lugar na equipe. Em 2018, raramente deixou os treinadores – primeiro Dorival Júnior, agora Aguirre – na mão. Dos 41 jogos no ano, participou de 34, com dois gols marcados.

E o Régis? Apesar de integrar o elenco, o jogador, que também é lateral de origem, ainda se recupera de problemas pessoais e não tem sido nem relacionado pelo técnico são-paulino. Contratado em março após bom Campeonato Paulista pelo São Bento, o atleta de 29 anos participou de apenas dez partidas até aqui.

Vale lembrar que, no mês passado, o São Paulo cedeu Bruno por empréstimo ao Bahia. O atleta mal vinha sendo aproveitado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.