Fernando Bizerra Jr./EFE
Fernando Bizerra Jr./EFE

Vidal elogia Sampaoli e diz que Chile será um 'rival temido' na Copa América

Meia relembra título em 2015 com técnico do Santos e minimiza fase ruim atual

Redação, Estadão Conteúdo

15 de junho de 2019 | 15h26

Atual bicampeão da Copa América, o Chile começa a defender seus títulos no torneio na próxima segunda-feira, quando estreia diante do Japão, às 20 horas, no Morumbi. Principal referência no atual elenco chileno, o meia Arturo Vidal elogiou o técnico Jorge Sampaoli, que comandou a seleção na primeira conquista em 2015 e hoje treina o Santos, e prometeu que o time, apesar das incertezas, será temido pelos rivais.

"Sampaoli é um extraordinário treinador, o conhecemos bem, desfrutamos muito e fomos campeões pela primeira vez com ele. Agora no Santos ele vai ajudar muito a equipe, treina muito forte, gosta muito de futebol e é muito profissional. Desejo muita sorte ao Sampaoli aqui no Brasil", disse o meia em entrevista coletiva concedida na tarde deste sábado.

Um ambiente de desconfiança cerca a seleção chilena, que treina no CT da Barra Funda, do São Paulo. A equipe, hoje treinada por Reinaldo Rueda, ex-técnico do Flamengo, passa por um processo de renovação e não entra nesta Copa América como uma das favoritas. Um dos poucos veteranos que ainda atual em alto nível, Vidal crê, no entanto, que o time chileno disputará o título.

"Esta seleção será temida desde o começo até o final da competição", prometeu. "Sabemos que temos novos jogadores, é um processo novo e neste momento só pensamos em ganhar a Copa América, e não nas Eliminatórias (para a Copa do Mundo do Catar, em 2022)", completou.

Vidal é um dos 11 remanescentes da última conquista da Copa América, em 2016. Mauricio Isla, Gary Medel, Jean Beausejour, Gonzalo Jara, Charles Aránguiz, Pablo Hernández, Erick Pulgar, Eduardo Vargas, Alexis Sánchez e Nicolás Castillo são os outros jogadores que também participaram daquela campanha vitoriosa. Depois do sucesso na competição sul-americana, a equipe caiu de produção e não se classificou para a Copa do Mundo da Rússia no ano passado.

"A seleção mudou porque são outros jogadores, mudou o sistema de jogo, temos jogadores jovens. Cada treinador tem o seu estilo. Trataremos de nos adaptar", disse o jogador do Barcelona, da Espanha.

O Chile está no Grupo C da Copa América. Depois da estreia diante do Japão, enfrenta o Equador, na próxima sexta-feira, em Salvador, e encerra a participação na primeira fase contra o Uruguai, no próximo dia 24, no Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.