Videogame, pingue-pongue e pagode agitam a Granja Comary

Nos momentos livres, jogadores se distraem com brincadeiras e músicas, enquanto técnico não abre mão das caminhadas diárias

Almir Leite e Silvio Barsetti - Enviados especiais a Teresópolis, O Estado de S. Paulo

21 de junho de 2014 | 17h00

Neymar é o homem a ser batido. Thiago Silva também incomoda. Com Luiz Felipe Scolari ninguém se mete. Não, não se trata de uma guerra de vaidades ou de desavenças no grupo. Neymar é imbatível no pingue-pongue; Thiago Silva manda bem no videogame; Felipão não abre mão de suas caminhadas diárias e não há quem o aconselhe a se poupar, mesmo sob frio intenso. Esses são apenas alguns hábitos de três personagens importantes da seleção brasileira durante o dia a dia da Granja Comary.

O grupo está hospedado desde 26 de maio no centro de treinamento reformado pela CBF ao custo de R$ 15 milhões. O CT ganhou, entre outras dependências, sala de jogos com sinuca, pebolim e pingue-pongue e sala de convivência. São locais frequentados pelos jogadores quando não estão treinando ou envolvidos em atividades propostas pela comissão técnica, como palestras e análises dos adversários.

Nos momentos de lazer, o videogame é praticamente unanimidade entre os atletas. Vários jogam bem, mas Neymar é o campeão. É quase imbatível e não se cansa de ironizar os fregueses. “O cara é uma fera. É muito difícil vencê-lo”, conta um integrante da comissão técnica da seleção. “Tem gente que até desiste de jogar com ele, porque sabe que vai perder mesmo.”

Thiago Silva não é um desses que abandonam a disputa. Aliás, também bate um bolão no videogame. Há quem diga que só não é melhor, no grupo da seleção, do que Neymar. Como quase todos os boleiros, os jogadores da seleção preferem os games de futebol. Mas os jogos da série Call of Duty, a maioria deles ambientada na Segunda Guerra Mundial, também fazem sucesso. O capitão da equipe é um dos fãs da série, assim como o meia Willian.

Neymar também é parada indigesta no pingue-pongue. E de novo tem em Thiago Silva um oponente à altura. O goleiro Julio Cesar e o zagueiro David Luiz são considerados eficientes com a raquete, e Willian é presença constante na mesa. Mas o ex-santista é o campeão da grande maioria das disputas entre os atletas.

No grupo da seleção há ainda os que preferem aproveitar parte do tempo livre para ouvir música enquanto pensam na vida e no desafio – e na glória – de ser campeão mundial diante da torcida. Daniel Alves é um deles. Costuma pegar seu fone de ouvido, acomodar-se num banquinho de madeira, de preferência voltado para o verde das montanhas, e, às vezes, passar horas ouvindo pagode. Um de seus grupos preferidos é Revelação.

O pagode está em alta na atual seleção. Quase todos os jogadores curtem o ritmo e têm amizade com cantores como Dilsinho (Julio Cesar) e Thiaguinho (Neymar). E, claro, as músicas que cantam também “frequentam” a Comary, embora, na maioria das vezes, fiquem restritas aos fones de ouvido.

Há espaço para a batucada, liderada pelo zagueiro Dante, habilidoso no pandeiro e no cavaquinho, segundo Felipão. Willian toca pandeiro (pelo menos diz que toca), o preparador físico Paulo Paixão se vira no tamborim e Daniel Alves, no tantan. De acordo com o técnico, quando sobe o som, é um desespero para os ouvidos mais sensíveis. “Eles são ruins demais, emendam uma música na outra, tudo errado”, disse. Felipão, suporta de bom grado a turma do pagode. 

Hernanes não é muito chegado ao ritmo. Prefere músicas gospel, como as do Bethel Music e Colton Dixon, e também curte o rapper Drake – de quem Willian é igualmente fã.

O meio-campista da Inter de Milão aproveita para se dedicar à leitura (sempre lê a Bíblia e tem com ele um exemplar de Agarrando o Espírito da Fé, do pastor americano Scott Webb) e para estudar idiomas. Quem também é adepto da leitura é David Luiz. Seu livro de cabeceira na Granja é Como se Tornar um Líder Servidor, de James Hunter. 

Quando se trata de trabalho, as atividades dos jogadores não se limitam aos treinos em campo e na sala de musculação. Com alguma frequência, são convocados pelo treinador para assistir a vídeos editados sobre os adversários da seleção. Durante esses encontros, discutem-se as qualidades e os defeitos dos rivais e a melhor maneira de superá-los.

É comum interrupções de Felipão e do coordenador técnico, Parreira, para destacar um ou outro detalhe. Os jogadores também expressam suas opiniões. Os que mais se manifestam são David Luiz, Thiago Silva, Fred, Neymar e Julio Cesar. Os vídeos são preparados pelo analista de desempenho da CBF, Thiago Larghi. Os atletas ainda assistem a palestras para se preparar técnica e psicologicamente.

O plano é que todos permaneçam no local até 12 de julho. E pingue-pongue, videogame e pagode vão ajudar a levar a vida. Pode até rolar um churrasco, sob o comando de Felipão e Murtosa, especialistas que são. Os dois, por sinal, não dispensam um bom papo antes do jantar, regado por boas talagadas na cuia de chimarrão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.