Vila Aurora: 20 horas para jogar Copinha

Após 20 horas de viagem de ônibus, percorrendo mais de 1.500 quilômetros, entre Rondonópolis (MT) e Ribeirão Preto, o Vila Aurora fez, no fim da tarde de ontem, a sua estréia na Copa São Paulo de Futebol Júnior. O jogo foi no Estádio Santa Cruz, contra o dono da casa, o Botafogo. A derrota, por 3 a 2, de virada, não tirou a esperança dos mirrados garotos mato-grossenses.Um dos mais experientes é o meia Edimar, de 20 anos, que acabou sendo expulso no segundo tempo. "É meu último ano como júnior e está na hora de sair." O cuiabano Edimar, franzino, está há dois meses e meio no Vila Aurora, formado em quase sua totalidade por jovens mato-grossenses - apenas dois são gaúchos. Está há mais tempo que o técnico Marco Antonio Gomes, ou simplesmente Birigüi, de 46 anos, ex-goleiro do Guarani nos anos 1980.O próprio treinador, que vai tirar a base do time profissional entre a garotada, o elogia e lembra do tempo em que Edimar jogava no Operário, de Várzea Grande, que, em 2002, enfrentou o Palmeiras pela Copa do Brasil. O adversário teria feito uma proposta para levá-lo, mas empresários surgiram e o levaram para o Corinthians. A liberação sairia por R$ 150 mil. Ele não entendeu nada da confusão e ficou onde estava.O vínculo de Edimar é com o próprio Vila Aurora, que se tornou o rival do União em Rondonópolis, uma das cidades que mais cresceu e enriqueceu nos últimos anos devido às boas safras de soja e algodão. A feira de agronegócios, a Agrishow Cerrado, criada há dois anos, só perde para a de Ribeirão Preto. Ex-time amador, o Vila Aurora profissionalizou-se e conquistou os títulos estaduais da 3.ª e 2.ª divisões. Em 2004, foi o terceiro colocado no Estadual e pode chegar, em breve, a um título, o que o rival União nunca conseguiu - foi vice dez vezes. "É uma grande rivalidade lá e cerca de 15 mil torcedores lotam o estádio no clássico", disse o volantejuvenil reserva Douglas, de 17 anos, que recebe uma ajuda de custo de R$ 150 mensais - os juniores recebem R$ 300.Estrutura - Birigüi vibra com a estrutura - "é muito boa" - do Vila Aurora, que tem um Centro de Treinamento com três campos. "O clube está crescendo e tem um bom patrimônio no centro da cidade." A dívida de R$ 30 mil, não é um problema, já que duas empresas de grãos bancam o clube. "Aqui não tem jogador de empresários", diz Birigüi, reconhecendo que as pretensões do time, convidado a participar da Copinha, são mínimas. "O time é humilde e veio para aprender."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.