Fethi Belaid/AFP
Fethi Belaid/AFP

Violência e vandalismo marcam semifinal da Liga dos Campeões da África na Tunísia

Partida entre Esperance e 1º de Agosto, na Tunísia, tem mais de 50 feridos dentre policiais e torcedores

Estadão Conteúdo

24 Outubro 2018 | 15h06

Trinta e oito policiais ficaram feridos e 12 pessoas foram presas por causa de brigas registradas no segundo jogo das semifinais da Liga dos Campeões da África, nesta quarta-feira, entre Esperançe e Primeiro de Agosto, em Tunes, na Tunísia.

Vários casos de vandalismo, entre os quais a destruição de imóveis, carros e espaços públicos, foram registrados ao redor do estádio, onde o Esperançe, campeão tunisiano, venceu o angolano Primeiro de Agosto por 4 a 2.

Os tunisinos, derrotados no primeiro jogo por 1 a 0 em Angola, fizeram os gols da classificação nos últimos 15 minutos. "Foi tudo menos futebol, muitas coisas aconteceram fora do campo, bombas explodiram, houve uma invasão de campo. É uma pena que isso tenha acontecido. Isso não foi futebol, foi um filme de terror", disse Zoran Majnolovic, técnico sérvio dos angolanos.

"Eu gostaria que alguém com responsabilidade pudesse analisar tudo o que ocorreu. Porque isso não foi um jogo da liga local, foi um jogo internacional, entre campeões. O que aconteceu foi uma vergonha para o mundo do futebol", afirmou o treinador.

Geraldo abriu o placar para o time angolano aos 8 minutos de jogo. A equipe da casa conseguiu a virada ainda na primeira etapa, com os gols de Belaili e Yacoubi. Aos 19 minutos do segundo tempo, Bokampa igualou o placar, que garantiria a vaga para os visitantes, mas Jouini, aos 29, e Badri, aos 40, deram o triunfo para o Esperançe.

O time tunisiano jogará a final da Liga dos Campeões da África diante do egípcio Al Ahly, que eliminou na terça-feira o argelino Setif, após perder na Argélia por 2 a 1 depois de ter ganho no Egito por 2 a 0. O confronto de ida da decisão será no dia 2 de novembro, no Egito, e a partida de volta ocorrerá uma semana depois, na Tunísia.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.