Violência marca clássico entre Atlas e Chivas no Mexicano

Oito policiais ficaram feridos no confronto com torcedores do Chivas Guadalajara

O Estado de S.Paulo

23 de março de 2014 | 18h36

GUADALAJARA - Nos minutos finais do clássico entre Atlas e Chivas Guadalajara, sábado, que terminou empatado em 1 a 1 pelo Campeonato Mexicano, um grupo de torcedores do Chivas entrou em confronto com cerca de 20 membros da polícia municipal de Guadalajara, por soltarem rojões na parte sul do Estádio Jalisco.

Segundo informações do diretor de operações da polícia local, Alfredo Jiménez, o resultado foi de oito policiais feridos, dois deles com fraturas no crânio, além de outros 30 torcedores. Poucas horas depois do incidente, 17 pessoas foram detidas e as autoridades mexicanas fecharam o estádio.

O secretário-geral da prefeitura de Guadalajara, Jesús Lomelí Rosas, afirmou que as imagens do confronto serão analisadas. "Uma análise por meio das imagens de vídeos será feita tanto pela Federação quanto pelo organizadores do estádio e pela televisão, com o intuito de determinar responsabilidades sobre os feridos e também a provocação deste fato lamentável - explicou o secretário ao portal Mediotiempo.com.

A Federação Mexicana e a Liga MX divulgaram uma nota de repúdio ao ocorrido e afirmaram que esperarão as investigações para identificar e punir os envolvidos.

NOTA OFICIAL

A Federação Mexicana de Futebol e a Liga MX desaprovam os lamentáveis atos de violência acontecidos na noite de ontem, 22 de março de 2014, no estádio Jalisco, durante a partida da rodada 12 entre Atlas e Chivas Guadalajara. Reafimando o compromisso com o jogo limpo dentro e fora do estádio, a Federação Mexicana de Futebol e a Liga MX apoiarão a todo momento a investigação das autoridades do estado de Jalisco para que se indentifiquem e, com base nas leis da entidade, castiguem-se os responsáveis de atos tão penosos.

Notícias relacionadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.