Ennio Leanza/EFE
Ennio Leanza/EFE

Visa volta a pressionar Fifa e pede mudanças 'satisfatórias'

Antiga parceira da entidade ameaça romper acordo

Estadão Conteúdo

28 de outubro de 2015 | 20h01

Uma das principais patrocinadoras da Fifa, a Visa voltou a pressionar a entidade nesta quarta-feira. Em audiência no Parlamento Britânico, em Londres, a vice-presidente Ellen Richey afirmou que a empresa encerrará a parceria caso não esteja "satisfeita" com as mudanças que a entidade promete fazer em seus procedimentos e estrutura.

"Há necessidades que precisam ser trabalhadas por um comitê independente. Nós avisamos a Fifa em diversas ocasiões que, se não estivermos satisfeitos com as mudanças, vamos rever o contrato do patrocínio", declarou Richey, ao lado de executivos do McDonald''s, Coca-Cola e Budweiser, todos também patrocinadores da Fifa.

Os parceiros da entidade máxima do futebol estão preocupados com os integrantes que integram os grupos de trabalho, que tem o objetivo de reformar a Fifa. A maioria tem fortes laços com a atual gestão, que comanda a entidade desde 1998. O único membro independente do Comitê de Reforma é o advogado suíço François Carrard.

Além de Richey, Peter Franklin, diretor da Coca-Cola, se pronunciou na audiência do comitê de cultura, mídia e esporte do Parlamento. E afirmou que a empresa tem cobrado maior transparência quanto às finanças da Fifa. "Nós fizemos estes questionamentos e vamos continuar a fazê-lo", declarou Franklin. "Pagamos os valores definidos em contrato e pedimos para saber se o dinheiro está sendo gastado de forma apropriada."

Os patrocinadores da Fifa tem elevado o tom das cobranças nas últimas semanas, ainda na esteira do escândalo de corrupção que vem abalando a entidade. No dia 27 de maio, sete dirigentes foram presos em Zurique, incluindo o ex-presidente da CBF José Maria Marin. Desde então novas denúncias causaram a suspensão do presidente Joseph Blatter, do secretário-geral Jérôme Valcke, e do francês Michel Platini, favorito nas novas eleições da Fifa.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolFifacorrupçãoVisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.