Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Vítima da torcida, Régis promete reagir

O bom desempenho dos meninos Wílson e Coelho contra o Juventus levantou uma questão que a própria torcida já tinha percebido. Das 13 contratações feitas pelo Corinthians na virada do ano, só duas vingaram até agora: o goleiro Fábio Costa e o colombiano Freddy Rincón. Os outros, com exceção aos que se machucaram, ainda estão devendo um desempenho satisfatório. Entre as decepções, Régis Pitbull foi eleito a principal vítima da torcida. No jogo contra o Juventus, ao ser substituído por Wílson, o atacante saiu de campo vaiado. A situação chegou a comover o técnico Oswaldo de Oliveira, que foi de encontro ao atacante e manifestou publicamente o seu apoio. "Nós ainda vamos virar esse jogo, você não está sozinho", disse o treinador, ao abraçar Régis junto a linha lateral. Régis sabe que a sua situação é dramática mas não perde a fé. Ele não vê outra saída para o seu caso: continuar trabalhando. "Uma hora a história muda e a torcida vai me aplaudir". O que mais atrapalha Régis são os seus números no Parque São Jorge: não marcou nenhuma vez nos sete jogos na temporada - seis pelo Campeonato Paulista, um pela Copa do Brasil. O atacante corre sério risco de perder o lugar no time para o menino Wílson, que encantou a torcida e o próprio técnico Oswaldo de Oliveira contra o Juventus. Adrianinho é outro que tem gerado uma certa desconfiança na torcida. Ele também chegou a ser vaiado no último jogo mas ainda está longe de ser comparado a Régis. Vive uma situação parecida com a de Samir, que ainda não conseguiu se firmar na equipe. Ambos, porém, contam com a confiança do chefe. "Não se pode esquecer que o time foi montado agora e ainda carece de um comportamento fundamental no futebol: entrosamento. Mas são todos jogadores de qualidade. Com certeza, vão dar muitas alegrias à torcida". A lista das incógnitas se completa com o lateral-esquerdo Julinho e com o atacante Dinélson - duas revelações do futebol do interior. Julinho nem foi relacionado para a concentração no último jogo. Já Dinélson perdeu muito espaço com a troca no comando da Comissão Técnica. Com Juninho Fonseca ele foi aproveitado em algumas partidas e chegou até a ser escalado como titular na derrota para o São Paulo. Mas com a chegada de Oswaldo de Oliveira, acabou perdendo o pouco espaço que tinha. Dos jogadores que chegaram recentemente, Rodrigo, Marcelo Ramos e Rafael Silva não puderam ser avaliados. Os três se machucaram. Quanto a Edson Araújo (o último a chegar) e Careca, a situação é idêntica: ambos só jogaram alguns minutos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.