Vítima exige R$ 7,3 mi de Guilherme

Um pedido de indenização no valor de R$ 7,3 milhões foi protocolado ontem na 1ª Vara Criminal do Fórum de Marília, contra Guilherme de Cássio Alves, atacante do Atlético Mineiro. O pedido feito pelo advogado Daniel Costa Rodrigues tem como beneficiária Rosilene Fossaluza de Souza, sobrevivente do acidente envolvendo o jogador (na época no Corinthians) em 5 de outubro do ano passado, quando bateu a BMW que dirigia contra um Escort e matou o motorista, Marcelo de Souza e a sogra dele, Benedita Fossaluza. Rosilene (esposa de Marcelo) ficou gravemente ferida e até hoje não consegue andar e está numa cadeira de rodas, enquanto faz fisioterapia. Enquanto a Justiça não decide sobre a indenização milionária em favor de Rosilene e da filha dela de seis anos, Guilherme será obrigado a pagar vinte salários mínimos (R$ 4 mil) por mês, conforme determinação do juiz Reinaldo José Paini. Guilherme tem trinta dias para apresentar à Justiça bens de garantia no valor de R$ 7,3 milhões, segundo informou hoje o advogado Daniel Costa Rodrigues. Se o jogador não fizer isso no prazo estipulado pelo juiz, passará a pagar multa diária de R$ 500,00 para a vítima do acidente. O advogado sabe que o processo é demorado, mas acredita que o jogador do Atlético Mineiro deverá tentar fazer um acordo para abreviar a questão. No dia do acidente, Guilherme estava acompanhado de três amigos e mais quatro mulheres e não fez o exame toxicológico porque um dos amigos (Fabiano Travain Pardo) assumiu que estava ao volante. Por isso, Fabiano está respondendo a processo por falsa identidade e por ter atrapalhado a investigação da polícia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.